Gisnei

Gisnei

O Colorado trabalha forte para mais uma rodada do Campeonato Brasileiro. Com três vitórias seguidas na competição e a liderança compartilhada com Atlético-MG e Flamengo, o Clube do Povo mira o topo da tabela. Nesta sexta-feira (16/10), a equipe completou o segundo treinamento de olho no Vasco da Gama.

O treinador Eduardo Coudet orientou atividades técnicas no gramado. Os jogadores realizaram exercícios de posse de bola, cruzamentos, finalizações e um jogo em curto espaço de campo, complementando com corridas ao redor do gramado. Para a próxima partida, D’Alessandro volta de suspensão e reforça o elenco.

Ainda resta mais um treino pela frente. Na tarde deste sábado (17/10), Coudet comanda o trabalho que fecha a preparação da equipe. No domingo (18/10), às 18h15, a bola rola para Inter e Vasco, no Beira-Rio, pela 17ª rodada do Brasileirão.

A capacidade do cooperativismo de crédito gerar transformações positivas na sociedade foi o tema ressaltado pelo Sicredi nas ações de comemoração ao Dia Internacional das Cooperativas de Crédito, celebrado este ano no dia 15 de outubro, com o tema “Trazendo Esperança à Comunidade Global”. Seja por meio do apoio ao empreendedorismo ou ações que contribuem com o desenvolvimento de economias locais, gerando inclusão e transformação social, o cooperativismo de crédito vem se mostrando, há mais de 100 anos, um instrumento para proporcionar resultados que vão além dos financeiros, levando benefícios diretos para as pessoas e as comunidades, no Brasil e no mundo. 

Promover transformações em escala global só é possível por meio de uma rede que ultrapassa fronteiras e é embasada em princípios muito bem estabelecidos de intercooperação entre atores de diversos países. De acordo com o Woccu Statistical Report 2019, desenvolvido pelo Woccu (Conselho Mundial de Cooperativas de Crédito, na sigla em inglês), o cooperativismo de crédito está presente em 118 nações de 6 continentes, com mais de 291 milhões de associados e 85 mil cooperativas. No Brasil, reúne aproximadamente 11 milhões de associados e 873 cooperativas, que juntas somam cerca de R$ 274 bilhões em ativos, segundo dados do Panorama do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo 2019. 

“O movimento de cooperativismo de crédito no mundo tem historicamente buscado apoiar as pessoas e comunidades, mas especialmente neste ano o Dia Internacional das Cooperativas de Crédito tem como objetivo evidenciar o papel do nosso segmento na sociedade. Nossa instituição tem crescido 20% ao ano, o que é um número expressivo, mas que só faz sentido quando entendemos que nossos resultados positivos, fruto do trabalho das cooperativas de crédito que compõem o Sicredi e seus colaboradores, geram benefício real na vida dos nossos associados e suas comunidades”, ressalta Manfred Alfonso Dasenbrock, presidente da SicrediPar e da Central Sicredi PR/SP/RJ e conselheiro do Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito. 

Os benefícios do cooperativismo de crédito à sociedade foram objeto de estudo realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e divulgado neste ano. O levantamento chegou à conclusão de que o cooperativismo é capaz de incrementar o Produto Interno Bruto (PIB) per capita dos municípios em 5,6%, criar 6,2% mais vagas de trabalho formal e aumentar o número de estabelecimentos comerciais em 15,7%, estimulando, portanto, o empreendedorismo local. Os cálculos do Sicredi, com base no estudo da Fipe, mostram seu impacto agregado nas cidades de mais de R$ 48 bilhões em um ano e que suas cooperativas foram responsáveis pela criação de 79 mil novas empresas e pela geração de 278 mil empregos. 

Do apoio ao desenvolvimento econômico à transformação social

Como forma de potencializar o seu impacto social positivo, o Sicredi aderiu oficialmente este ano ao Pacto Global, iniciativa voluntária que fornece princípios, diretrizes, informações e ferramentas para a promoção do crescimento sustentável e da cidadania, por meio de lideranças corporativas comprometidas e inovadoras. Quem integra o Pacto Global também assume a responsabilidade de contribuir para o alcance da agenda global de sustentabilidade. A Agenda 2030 tem como principal pilar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Para apoiar os empreendedores locais, o Sicredi deu início, em maio, ao movimento "Eu Coopero com a Economia Local", buscando engajar as pessoas e entidades em prol do fomento do consumo de empreendimentos das suas localidades. A iniciativa reforça a sinergia entre o cooperativismo de crédito e os pequenos empreendedores, e está sendo realizada em todo o Brasil com a participação de mais de 100 entidades parceiras.

Ainda em 2020, a instituição teve como uma de suas prioridades levar soluções financeiras e não financeiras para dar suporte aos associados, com destaque para o crédito. Atuando junto a programas governamentais de apoio ao empreendedorismo, foi uma das instituições repassadoras de recursos via Programa Nacional de Apoio às Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), por meio do qual foi concedido R$ 1,8 bilhão em mais de 37 mil operações, o PEAC-FGI, com repasses que totalizaram R$ 1,3 bilhão em mais de 5 mil operações, e o PESE, repassando cerca de R$ 144 milhões. Em linhas de crédito para folha de pagamento, o Sicredi repassou R$ 125 milhões, enquanto que para capital de giro foram repassados R$ 456 milhões. 

Com soluções não financeiras, e por meio de suas cooperativas, o Sicredi reforçou suas ações sociais para promoção da inclusão e da diversidade. O Programa União Faz a Vida, que tem como objetivo disseminar os valores do cooperativismo entre crianças e jovens por meio da educação, chegou a marca de 2,1 milhões de impactados, com 100 mil projetos em desenvolvimento. Já o Programa Pertencer, aplicado para estimular a participação dos associados nas assembleias e outros momentos de decisão das cooperativas, contou com mais de 430 mil participantes em 1,6 mil assembleias. O Programa Crescer, iniciativa de educação cooperativa, registrou 87 mil participantes, enquanto o Comitê Mulher, iniciativa criada para estimular a equidade de gênero, foi nacionalizado em 2020 e hoje conta com mais de 30 grupos atuantes. 

O trabalho de formação de jovens lideranças cooperativistas, realizado por meio dos Comitês Jovem do Sicredi, recebeu reconhecimento do Woccu este ano, tendo sido escolhido como modelo mundial para o fomento do segmento entre as novas gerações. Integrante do Comitê Jovem e associado do Sicredi, Vinícius Mattia, foi um dos vencedores no WYCUP – World Council Young Credit Union People, programa que tem o objetivo de estimular a formação de jovens lideranças e que premia participantes que desenvolveram projetos com potencial de causar influência global no Cooperativismo de Crédito. Como prêmio, Mattia participará da Conferência Mundial das Cooperativas de Crédito 2021, programada para ocorrer na Escócia. Tendo a Educação Financeira como uma de suas bandeiras, o Sicredi irá lançar, ainda em 2020, o programa Cooperação na Ponta do Lápis, buscando disseminar ações educacionais em todo o território nacional. 

Tais iniciativas tornam o Sicredi uma referência para cooperativas de crédito de outros países – percepção compartilhada pelo presidente do Woccu, Brian Branch, que também não deixa de exaltar os benefícios para a sociedade. “Essas ações do Sicredi o tornam um modelo inspirador e são um exemplo de como o cooperativismo de crédito é essencial para evoluirmos em questões socioeconômicas”, afirma ele, ressaltando que cooperativas foram fundamentais para minimizar problemas sociais na África, no Haiti, e até mesmo em países europeus mais desenvolvidos. 

Futuro: inovação para gerar valor, experiências e relacionamento

Sempre tendo o associado no centro dos projetos, o Sicredi tem desenvolvido iniciativas e soluções, tanto em atendimento quanto em apoio, para oferecer experiências mais digitais e fluidas às pessoas. Iniciativas desenvolvidas e aprimoradas ao longo de 2020 são exemplo disso. 

Por meio do WhatsApp Enterprise e de seu assistente virtual, Theo, o Sicredi realizou mais de 1,4 milhão de atendimentos, com mais de 1,2 milhão de mensagens trocadas pelo bot. Em sua parceria com o AgTech Garage, foi realizado o projeto "Desafio Covid-19: soluções digitais para o agronegócio“, que teve como objetivo promover a difusão e a adoção de soluções confiáveis e de alto impacto desenvolvidas por startups para produtores rurais, além do Programa Intensive Connection, que buscou empresas para o desenvolvimento de tecnologias destinadas ao agrobusiness capazes de gerar transformações positivas no setor. Também merece destaque o aplicativo Sicredi Conecta, marketplace virtual que permite aos associados anunciar e vender produtos e serviços, e hoje reúne cerca de 43 mil usuários. 

“O Sicredi está sempre aberto às inovações e às novas tecnologias. Embora elas permitam interações à distância, isso não significa que iremos nos distanciar em nossos relacionamentos, ao contrário, iremos cada vez mais e sempre estar próximos das pessoas”, afirma Dasenbrock.

Área de Relacionamento

Sicredi Pampa Gaúcho – Alegrete/RS

A capacidade do cooperativismo de crédito gerar transformações positivas na sociedade foi o tema ressaltado pelo Sicredi nas ações de comemoração ao Dia Internacional das Cooperativas de Crédito, celebrado este ano no dia 15 de outubro, com o tema “Trazendo Esperança à Comunidade Global”. Seja por meio do apoio ao empreendedorismo ou ações que contribuem com o desenvolvimento de economias locais, gerando inclusão e transformação social, o cooperativismo de crédito vem se mostrando, há mais de 100 anos, um instrumento para proporcionar resultados que vão além dos financeiros, levando benefícios diretos para as pessoas e as comunidades, no Brasil e no mundo. 

Promover transformações em escala global só é possível por meio de uma rede que ultrapassa fronteiras e é embasada em princípios muito bem estabelecidos de intercooperação entre atores de diversos países. De acordo com o Woccu Statistical Report 2019, desenvolvido pelo Woccu (Conselho Mundial de Cooperativas de Crédito, na sigla em inglês), o cooperativismo de crédito está presente em 118 nações de 6 continentes, com mais de 291 milhões de associados e 85 mil cooperativas. No Brasil, reúne aproximadamente 11 milhões de associados e 873 cooperativas, que juntas somam cerca de R$ 274 bilhões em ativos, segundo dados do Panorama do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo 2019. 

“O movimento de cooperativismo de crédito no mundo tem historicamente buscado apoiar as pessoas e comunidades, mas especialmente neste ano o Dia Internacional das Cooperativas de Crédito tem como objetivo evidenciar o papel do nosso segmento na sociedade. Nossa instituição tem crescido 20% ao ano, o que é um número expressivo, mas que só faz sentido quando entendemos que nossos resultados positivos, fruto do trabalho das cooperativas de crédito que compõem o Sicredi e seus colaboradores, geram benefício real na vida dos nossos associados e suas comunidades”, ressalta Manfred Alfonso Dasenbrock, presidente da SicrediPar e da Central Sicredi PR/SP/RJ e conselheiro do Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito. 

Os benefícios do cooperativismo de crédito à sociedade foram objeto de estudo realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e divulgado neste ano. O levantamento chegou à conclusão de que o cooperativismo é capaz de incrementar o Produto Interno Bruto (PIB) per capita dos municípios em 5,6%, criar 6,2% mais vagas de trabalho formal e aumentar o número de estabelecimentos comerciais em 15,7%, estimulando, portanto, o empreendedorismo local. Os cálculos do Sicredi, com base no estudo da Fipe, mostram seu impacto agregado nas cidades de mais de R$ 48 bilhões em um ano e que suas cooperativas foram responsáveis pela criação de 79 mil novas empresas e pela geração de 278 mil empregos. 

Do apoio ao desenvolvimento econômico à transformação social

Como forma de potencializar o seu impacto social positivo, o Sicredi aderiu oficialmente este ano ao Pacto Global, iniciativa voluntária que fornece princípios, diretrizes, informações e ferramentas para a promoção do crescimento sustentável e da cidadania, por meio de lideranças corporativas comprometidas e inovadoras. Quem integra o Pacto Global também assume a responsabilidade de contribuir para o alcance da agenda global de sustentabilidade. A Agenda 2030 tem como principal pilar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Para apoiar os empreendedores locais, o Sicredi deu início, em maio, ao movimento "Eu Coopero com a Economia Local", buscando engajar as pessoas e entidades em prol do fomento do consumo de empreendimentos das suas localidades. A iniciativa reforça a sinergia entre o cooperativismo de crédito e os pequenos empreendedores, e está sendo realizada em todo o Brasil com a participação de mais de 100 entidades parceiras.

Ainda em 2020, a instituição teve como uma de suas prioridades levar soluções financeiras e não financeiras para dar suporte aos associados, com destaque para o crédito. Atuando junto a programas governamentais de apoio ao empreendedorismo, foi uma das instituições repassadoras de recursos via Programa Nacional de Apoio às Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), por meio do qual foi concedido R$ 1,8 bilhão em mais de 37 mil operações, o PEAC-FGI, com repasses que totalizaram R$ 1,3 bilhão em mais de 5 mil operações, e o PESE, repassando cerca de R$ 144 milhões. Em linhas de crédito para folha de pagamento, o Sicredi repassou R$ 125 milhões, enquanto que para capital de giro foram repassados R$ 456 milhões. 

Com soluções não financeiras, e por meio de suas cooperativas, o Sicredi reforçou suas ações sociais para promoção da inclusão e da diversidade. O Programa União Faz a Vida, que tem como objetivo disseminar os valores do cooperativismo entre crianças e jovens por meio da educação, chegou a marca de 2,1 milhões de impactados, com 100 mil projetos em desenvolvimento. Já o Programa Pertencer, aplicado para estimular a participação dos associados nas assembleias e outros momentos de decisão das cooperativas, contou com mais de 430 mil participantes em 1,6 mil assembleias. O Programa Crescer, iniciativa de educação cooperativa, registrou 87 mil participantes, enquanto o Comitê Mulher, iniciativa criada para estimular a equidade de gênero, foi nacionalizado em 2020 e hoje conta com mais de 30 grupos atuantes. 

O trabalho de formação de jovens lideranças cooperativistas, realizado por meio dos Comitês Jovem do Sicredi, recebeu reconhecimento do Woccu este ano, tendo sido escolhido como modelo mundial para o fomento do segmento entre as novas gerações. Integrante do Comitê Jovem e associado do Sicredi, Vinícius Mattia, foi um dos vencedores no WYCUP – World Council Young Credit Union People, programa que tem o objetivo de estimular a formação de jovens lideranças e que premia participantes que desenvolveram projetos com potencial de causar influência global no Cooperativismo de Crédito. Como prêmio, Mattia participará da Conferência Mundial das Cooperativas de Crédito 2021, programada para ocorrer na Escócia. Tendo a Educação Financeira como uma de suas bandeiras, o Sicredi irá lançar, ainda em 2020, o programa Cooperação na Ponta do Lápis, buscando disseminar ações educacionais em todo o território nacional. 

Tais iniciativas tornam o Sicredi uma referência para cooperativas de crédito de outros países – percepção compartilhada pelo presidente do Woccu, Brian Branch, que também não deixa de exaltar os benefícios para a sociedade. “Essas ações do Sicredi o tornam um modelo inspirador e são um exemplo de como o cooperativismo de crédito é essencial para evoluirmos em questões socioeconômicas”, afirma ele, ressaltando que cooperativas foram fundamentais para minimizar problemas sociais na África, no Haiti, e até mesmo em países europeus mais desenvolvidos. 

Futuro: inovação para gerar valor, experiências e relacionamento

Sempre tendo o associado no centro dos projetos, o Sicredi tem desenvolvido iniciativas e soluções, tanto em atendimento quanto em apoio, para oferecer experiências mais digitais e fluidas às pessoas. Iniciativas desenvolvidas e aprimoradas ao longo de 2020 são exemplo disso. 

Por meio do WhatsApp Enterprise e de seu assistente virtual, Theo, o Sicredi realizou mais de 1,4 milhão de atendimentos, com mais de 1,2 milhão de mensagens trocadas pelo bot. Em sua parceria com o AgTech Garage, foi realizado o projeto "Desafio Covid-19: soluções digitais para o agronegócio“, que teve como objetivo promover a difusão e a adoção de soluções confiáveis e de alto impacto desenvolvidas por startups para produtores rurais, além do Programa Intensive Connection, que buscou empresas para o desenvolvimento de tecnologias destinadas ao agrobusiness capazes de gerar transformações positivas no setor. Também merece destaque o aplicativo Sicredi Conecta, marketplace virtual que permite aos associados anunciar e vender produtos e serviços, e hoje reúne cerca de 43 mil usuários. 

“O Sicredi está sempre aberto às inovações e às novas tecnologias. Embora elas permitam interações à distância, isso não significa que iremos nos distanciar em nossos relacionamentos, ao contrário, iremos cada vez mais e sempre estar próximos das pessoas”, afirma Dasenbrock.

Área de Relacionamento

Sicredi Pampa Gaúcho – Alegrete/RS

A capacidade do cooperativismo de crédito gerar transformações positivas na sociedade foi o tema ressaltado pelo Sicredi nas ações de comemoração ao Dia Internacional das Cooperativas de Crédito, celebrado este ano no dia 15 de outubro, com o tema “Trazendo Esperança à Comunidade Global”. Seja por meio do apoio ao empreendedorismo ou ações que contribuem com o desenvolvimento de economias locais, gerando inclusão e transformação social, o cooperativismo de crédito vem se mostrando, há mais de 100 anos, um instrumento para proporcionar resultados que vão além dos financeiros, levando benefícios diretos para as pessoas e as comunidades, no Brasil e no mundo. 

Promover transformações em escala global só é possível por meio de uma rede que ultrapassa fronteiras e é embasada em princípios muito bem estabelecidos de intercooperação entre atores de diversos países. De acordo com o Woccu Statistical Report 2019, desenvolvido pelo Woccu (Conselho Mundial de Cooperativas de Crédito, na sigla em inglês), o cooperativismo de crédito está presente em 118 nações de 6 continentes, com mais de 291 milhões de associados e 85 mil cooperativas. No Brasil, reúne aproximadamente 11 milhões de associados e 873 cooperativas, que juntas somam cerca de R$ 274 bilhões em ativos, segundo dados do Panorama do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo 2019. 

“O movimento de cooperativismo de crédito no mundo tem historicamente buscado apoiar as pessoas e comunidades, mas especialmente neste ano o Dia Internacional das Cooperativas de Crédito tem como objetivo evidenciar o papel do nosso segmento na sociedade. Nossa instituição tem crescido 20% ao ano, o que é um número expressivo, mas que só faz sentido quando entendemos que nossos resultados positivos, fruto do trabalho das cooperativas de crédito que compõem o Sicredi e seus colaboradores, geram benefício real na vida dos nossos associados e suas comunidades”, ressalta Manfred Alfonso Dasenbrock, presidente da SicrediPar e da Central Sicredi PR/SP/RJ e conselheiro do Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito. 

Os benefícios do cooperativismo de crédito à sociedade foram objeto de estudo realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e divulgado neste ano. O levantamento chegou à conclusão de que o cooperativismo é capaz de incrementar o Produto Interno Bruto (PIB) per capita dos municípios em 5,6%, criar 6,2% mais vagas de trabalho formal e aumentar o número de estabelecimentos comerciais em 15,7%, estimulando, portanto, o empreendedorismo local. Os cálculos do Sicredi, com base no estudo da Fipe, mostram seu impacto agregado nas cidades de mais de R$ 48 bilhões em um ano e que suas cooperativas foram responsáveis pela criação de 79 mil novas empresas e pela geração de 278 mil empregos. 

Do apoio ao desenvolvimento econômico à transformação social

Como forma de potencializar o seu impacto social positivo, o Sicredi aderiu oficialmente este ano ao Pacto Global, iniciativa voluntária que fornece princípios, diretrizes, informações e ferramentas para a promoção do crescimento sustentável e da cidadania, por meio de lideranças corporativas comprometidas e inovadoras. Quem integra o Pacto Global também assume a responsabilidade de contribuir para o alcance da agenda global de sustentabilidade. A Agenda 2030 tem como principal pilar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Para apoiar os empreendedores locais, o Sicredi deu início, em maio, ao movimento "Eu Coopero com a Economia Local", buscando engajar as pessoas e entidades em prol do fomento do consumo de empreendimentos das suas localidades. A iniciativa reforça a sinergia entre o cooperativismo de crédito e os pequenos empreendedores, e está sendo realizada em todo o Brasil com a participação de mais de 100 entidades parceiras.

Ainda em 2020, a instituição teve como uma de suas prioridades levar soluções financeiras e não financeiras para dar suporte aos associados, com destaque para o crédito. Atuando junto a programas governamentais de apoio ao empreendedorismo, foi uma das instituições repassadoras de recursos via Programa Nacional de Apoio às Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), por meio do qual foi concedido R$ 1,8 bilhão em mais de 37 mil operações, o PEAC-FGI, com repasses que totalizaram R$ 1,3 bilhão em mais de 5 mil operações, e o PESE, repassando cerca de R$ 144 milhões. Em linhas de crédito para folha de pagamento, o Sicredi repassou R$ 125 milhões, enquanto que para capital de giro foram repassados R$ 456 milhões. 

Com soluções não financeiras, e por meio de suas cooperativas, o Sicredi reforçou suas ações sociais para promoção da inclusão e da diversidade. O Programa União Faz a Vida, que tem como objetivo disseminar os valores do cooperativismo entre crianças e jovens por meio da educação, chegou a marca de 2,1 milhões de impactados, com 100 mil projetos em desenvolvimento. Já o Programa Pertencer, aplicado para estimular a participação dos associados nas assembleias e outros momentos de decisão das cooperativas, contou com mais de 430 mil participantes em 1,6 mil assembleias. O Programa Crescer, iniciativa de educação cooperativa, registrou 87 mil participantes, enquanto o Comitê Mulher, iniciativa criada para estimular a equidade de gênero, foi nacionalizado em 2020 e hoje conta com mais de 30 grupos atuantes. 

O trabalho de formação de jovens lideranças cooperativistas, realizado por meio dos Comitês Jovem do Sicredi, recebeu reconhecimento do Woccu este ano, tendo sido escolhido como modelo mundial para o fomento do segmento entre as novas gerações. Integrante do Comitê Jovem e associado do Sicredi, Vinícius Mattia, foi um dos vencedores no WYCUP – World Council Young Credit Union People, programa que tem o objetivo de estimular a formação de jovens lideranças e que premia participantes que desenvolveram projetos com potencial de causar influência global no Cooperativismo de Crédito. Como prêmio, Mattia participará da Conferência Mundial das Cooperativas de Crédito 2021, programada para ocorrer na Escócia. Tendo a Educação Financeira como uma de suas bandeiras, o Sicredi irá lançar, ainda em 2020, o programa Cooperação na Ponta do Lápis, buscando disseminar ações educacionais em todo o território nacional. 

Tais iniciativas tornam o Sicredi uma referência para cooperativas de crédito de outros países – percepção compartilhada pelo presidente do Woccu, Brian Branch, que também não deixa de exaltar os benefícios para a sociedade. “Essas ações do Sicredi o tornam um modelo inspirador e são um exemplo de como o cooperativismo de crédito é essencial para evoluirmos em questões socioeconômicas”, afirma ele, ressaltando que cooperativas foram fundamentais para minimizar problemas sociais na África, no Haiti, e até mesmo em países europeus mais desenvolvidos. 

Futuro: inovação para gerar valor, experiências e relacionamento

Sempre tendo o associado no centro dos projetos, o Sicredi tem desenvolvido iniciativas e soluções, tanto em atendimento quanto em apoio, para oferecer experiências mais digitais e fluidas às pessoas. Iniciativas desenvolvidas e aprimoradas ao longo de 2020 são exemplo disso. 

Por meio do WhatsApp Enterprise e de seu assistente virtual, Theo, o Sicredi realizou mais de 1,4 milhão de atendimentos, com mais de 1,2 milhão de mensagens trocadas pelo bot. Em sua parceria com o AgTech Garage, foi realizado o projeto "Desafio Covid-19: soluções digitais para o agronegócio“, que teve como objetivo promover a difusão e a adoção de soluções confiáveis e de alto impacto desenvolvidas por startups para produtores rurais, além do Programa Intensive Connection, que buscou empresas para o desenvolvimento de tecnologias destinadas ao agrobusiness capazes de gerar transformações positivas no setor. Também merece destaque o aplicativo Sicredi Conecta, marketplace virtual que permite aos associados anunciar e vender produtos e serviços, e hoje reúne cerca de 43 mil usuários. 

“O Sicredi está sempre aberto às inovações e às novas tecnologias. Embora elas permitam interações à distância, isso não significa que iremos nos distanciar em nossos relacionamentos, ao contrário, iremos cada vez mais e sempre estar próximos das pessoas”, afirma Dasenbrock.

Área de Relacionamento

Sicredi Pampa Gaúcho – Alegrete/RS

A capacidade do cooperativismo de crédito gerar transformações positivas na sociedade foi o tema ressaltado pelo Sicredi nas ações de comemoração ao Dia Internacional das Cooperativas de Crédito, celebrado este ano no dia 15 de outubro, com o tema “Trazendo Esperança à Comunidade Global”. Seja por meio do apoio ao empreendedorismo ou ações que contribuem com o desenvolvimento de economias locais, gerando inclusão e transformação social, o cooperativismo de crédito vem se mostrando, há mais de 100 anos, um instrumento para proporcionar resultados que vão além dos financeiros, levando benefícios diretos para as pessoas e as comunidades, no Brasil e no mundo. 

Promover transformações em escala global só é possível por meio de uma rede que ultrapassa fronteiras e é embasada em princípios muito bem estabelecidos de intercooperação entre atores de diversos países. De acordo com o Woccu Statistical Report 2019, desenvolvido pelo Woccu (Conselho Mundial de Cooperativas de Crédito, na sigla em inglês), o cooperativismo de crédito está presente em 118 nações de 6 continentes, com mais de 291 milhões de associados e 85 mil cooperativas. No Brasil, reúne aproximadamente 11 milhões de associados e 873 cooperativas, que juntas somam cerca de R$ 274 bilhões em ativos, segundo dados do Panorama do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo 2019. 

“O movimento de cooperativismo de crédito no mundo tem historicamente buscado apoiar as pessoas e comunidades, mas especialmente neste ano o Dia Internacional das Cooperativas de Crédito tem como objetivo evidenciar o papel do nosso segmento na sociedade. Nossa instituição tem crescido 20% ao ano, o que é um número expressivo, mas que só faz sentido quando entendemos que nossos resultados positivos, fruto do trabalho das cooperativas de crédito que compõem o Sicredi e seus colaboradores, geram benefício real na vida dos nossos associados e suas comunidades”, ressalta Manfred Alfonso Dasenbrock, presidente da SicrediPar e da Central Sicredi PR/SP/RJ e conselheiro do Conselho Mundial das Cooperativas de Crédito. 

Os benefícios do cooperativismo de crédito à sociedade foram objeto de estudo realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e divulgado neste ano. O levantamento chegou à conclusão de que o cooperativismo é capaz de incrementar o Produto Interno Bruto (PIB) per capita dos municípios em 5,6%, criar 6,2% mais vagas de trabalho formal e aumentar o número de estabelecimentos comerciais em 15,7%, estimulando, portanto, o empreendedorismo local. Os cálculos do Sicredi, com base no estudo da Fipe, mostram seu impacto agregado nas cidades de mais de R$ 48 bilhões em um ano e que suas cooperativas foram responsáveis pela criação de 79 mil novas empresas e pela geração de 278 mil empregos. 

Do apoio ao desenvolvimento econômico à transformação social

Como forma de potencializar o seu impacto social positivo, o Sicredi aderiu oficialmente este ano ao Pacto Global, iniciativa voluntária que fornece princípios, diretrizes, informações e ferramentas para a promoção do crescimento sustentável e da cidadania, por meio de lideranças corporativas comprometidas e inovadoras. Quem integra o Pacto Global também assume a responsabilidade de contribuir para o alcance da agenda global de sustentabilidade. A Agenda 2030 tem como principal pilar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Para apoiar os empreendedores locais, o Sicredi deu início, em maio, ao movimento "Eu Coopero com a Economia Local", buscando engajar as pessoas e entidades em prol do fomento do consumo de empreendimentos das suas localidades. A iniciativa reforça a sinergia entre o cooperativismo de crédito e os pequenos empreendedores, e está sendo realizada em todo o Brasil com a participação de mais de 100 entidades parceiras.

Ainda em 2020, a instituição teve como uma de suas prioridades levar soluções financeiras e não financeiras para dar suporte aos associados, com destaque para o crédito. Atuando junto a programas governamentais de apoio ao empreendedorismo, foi uma das instituições repassadoras de recursos via Programa Nacional de Apoio às Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), por meio do qual foi concedido R$ 1,8 bilhão em mais de 37 mil operações, o PEAC-FGI, com repasses que totalizaram R$ 1,3 bilhão em mais de 5 mil operações, e o PESE, repassando cerca de R$ 144 milhões. Em linhas de crédito para folha de pagamento, o Sicredi repassou R$ 125 milhões, enquanto que para capital de giro foram repassados R$ 456 milhões. 

Com soluções não financeiras, e por meio de suas cooperativas, o Sicredi reforçou suas ações sociais para promoção da inclusão e da diversidade. O Programa União Faz a Vida, que tem como objetivo disseminar os valores do cooperativismo entre crianças e jovens por meio da educação, chegou a marca de 2,1 milhões de impactados, com 100 mil projetos em desenvolvimento. Já o Programa Pertencer, aplicado para estimular a participação dos associados nas assembleias e outros momentos de decisão das cooperativas, contou com mais de 430 mil participantes em 1,6 mil assembleias. O Programa Crescer, iniciativa de educação cooperativa, registrou 87 mil participantes, enquanto o Comitê Mulher, iniciativa criada para estimular a equidade de gênero, foi nacionalizado em 2020 e hoje conta com mais de 30 grupos atuantes. 

O trabalho de formação de jovens lideranças cooperativistas, realizado por meio dos Comitês Jovem do Sicredi, recebeu reconhecimento do Woccu este ano, tendo sido escolhido como modelo mundial para o fomento do segmento entre as novas gerações. Integrante do Comitê Jovem e associado do Sicredi, Vinícius Mattia, foi um dos vencedores no WYCUP – World Council Young Credit Union People, programa que tem o objetivo de estimular a formação de jovens lideranças e que premia participantes que desenvolveram projetos com potencial de causar influência global no Cooperativismo de Crédito. Como prêmio, Mattia participará da Conferência Mundial das Cooperativas de Crédito 2021, programada para ocorrer na Escócia. Tendo a Educação Financeira como uma de suas bandeiras, o Sicredi irá lançar, ainda em 2020, o programa Cooperação na Ponta do Lápis, buscando disseminar ações educacionais em todo o território nacional. 

Tais iniciativas tornam o Sicredi uma referência para cooperativas de crédito de outros países – percepção compartilhada pelo presidente do Woccu, Brian Branch, que também não deixa de exaltar os benefícios para a sociedade. “Essas ações do Sicredi o tornam um modelo inspirador e são um exemplo de como o cooperativismo de crédito é essencial para evoluirmos em questões socioeconômicas”, afirma ele, ressaltando que cooperativas foram fundamentais para minimizar problemas sociais na África, no Haiti, e até mesmo em países europeus mais desenvolvidos. 

Futuro: inovação para gerar valor, experiências e relacionamento

Sempre tendo o associado no centro dos projetos, o Sicredi tem desenvolvido iniciativas e soluções, tanto em atendimento quanto em apoio, para oferecer experiências mais digitais e fluidas às pessoas. Iniciativas desenvolvidas e aprimoradas ao longo de 2020 são exemplo disso. 

Por meio do WhatsApp Enterprise e de seu assistente virtual, Theo, o Sicredi realizou mais de 1,4 milhão de atendimentos, com mais de 1,2 milhão de mensagens trocadas pelo bot. Em sua parceria com o AgTech Garage, foi realizado o projeto "Desafio Covid-19: soluções digitais para o agronegócio“, que teve como objetivo promover a difusão e a adoção de soluções confiáveis e de alto impacto desenvolvidas por startups para produtores rurais, além do Programa Intensive Connection, que buscou empresas para o desenvolvimento de tecnologias destinadas ao agrobusiness capazes de gerar transformações positivas no setor. Também merece destaque o aplicativo Sicredi Conecta, marketplace virtual que permite aos associados anunciar e vender produtos e serviços, e hoje reúne cerca de 43 mil usuários. 

“O Sicredi está sempre aberto às inovações e às novas tecnologias. Embora elas permitam interações à distância, isso não significa que iremos nos distanciar em nossos relacionamentos, ao contrário, iremos cada vez mais e sempre estar próximos das pessoas”, afirma Dasenbrock.

Área de Relacionamento

Sicredi Pampa Gaúcho – Alegrete/RS

Nesta semana, o Ministério da Educação liberou R$ 83,4 milhões para as instituições federais de ensino vinculadas à pasta. Os repasses têm o objetivo de custear a manutenção dessas instituições, como pagamento de contas de água, energia, telefone e serviços terceirizados. O Ministério da Educação também visa o pagamento do Programa Nacional de Assistência Estudantil (Pnaes), que oferece assistência a estudantes de baixa renda matriculados em cursos de graduação presencial.

Especialistas avaliam que apesar da Covid-19, 2020 não foi um ano perdido para a educação

Eleições 2020: Documento reúne propostas de gestão educacional nos municípios

Do total repassado pelo Executivo, a maior parte (R$ 54,9 milhões) é destinada às universidades federais, incluindo hospitais universitários. Já a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica recebeu R$ 27 milhões. O restante (R$ 1,5 milhão) foi repassado ao Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines), ao Instituto Benjamin Constant (IBC) e à Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj).



Fonte: Brasil 61

Os Fundos Constitucionais de Financiamento (FNO, FNE e FCO) já disponibilizaram mais de R$ 3 bilhões a pequenos empreendedores das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste nesses sete meses da pandemia. 

Deste montante, a região Nordeste é a mais contemplada: já utilizou R$2,72 bilhões, cerca de 91% do total oferecido para enfrentar a crise. No Norte, para onde foram disponibilizados R$ 2 bilhões, os financiamentos somam R$ 231 milhões, enquanto no Centro-Oeste já foram contratados R$ 120 milhões de R$ 1 bilhão disponível, valor menor, levando em consideração que as contratações na região só começaram em meados de junho. 

Os recursos são administrados pelo Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e concedidos pelos bancos do Nordeste, da Amazônia e do Brasil. De acordo com o órgão, o prazo para quitação da dívida é de até 24 meses, mas os recursos só estarão disponíveis para serem solicitados até o dia 31 de dezembro de 2020, quando se encerra o prazo de calamidade pública decretado pelo Governo Federal.

Além de pequenos empreendedores, o ministério tem ajudado financeiramente as regiões. A Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec) autorizou o repasse de cerca de R$ 4,7 milhões para iniciativas de defesa civil em Mato Grosso do Sul, Chalé (RS), Jaboatão dos Guararapes (PE), Major Vieira (SC), Paracambi (RS) e Penha (SC). Cerca de R$ 2,1 milhões também já foram destinados para combater incêndios florestais na região do Centro-Oeste.

O MDR disponibilizou, ainda, mais de R$ 17,1 milhões para a continuidade de obras de saneamento básico no Amapá, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, São Paulo e Sergipe.

As regiões tiveram investimentos que envolvem abastecimento de água, esgotamento sanitário, manejo de águas pluviais e saneamento integrado.



Fonte: Brasil 61

Jogando na Arena, o Grêmio enfrentou o Botafogo, na noite desta quarta-feira, em partida válida pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro. Mesmo com Diego Souza expulso na etapa complementar, o Tricolor venceu por 3 a 1 o time carioca, com gols do centroavante, anotado no primeiro tempo e de Pepê, por duas vezes, no segundo.

Com o retorno do zagueiro Geromel, recuperado de Covid-19 e de Matheus Henrique, que cumpriu suspensão na última partida, Renato contou com quase todo o grupo a disposição. Colocou em campo Vanderlei, Victor Ferraz. Geromel, Rodrigues, Diogo Barbosa, Matheus Henrique, Maicon, Robinho, Alisson, Pepê e Diego Souza.

O jogo com equilibrado e disputado, mas uma das primeiras oportunidades de gol saiu do lado carioca, quando após um cruzamento na área, Caio Alexandre arrematou próximo a meia-lua, mandando à direita do gol.

Aos 4 minutos, o Grêmio fez uma grande jogada e levou perigo a meta adversária. Matheus acionou Victor Ferraz à direita, na linha de fundo. O lateral fez o cruzamento no segundo poste, Diego Souza subiu, mas a zaga desviou e afastou o perigo. Ainda no ataque, agora em cobrança de escanteio, Robinho colocou na área, a bola passou por todo mundo e chegou aos pés de Alisson, que finalizou, mas bateu fraco, para a defesa de Cavalieri.

O Tricolor chegou novamente próximo aos 10’, quando Alisson fez boa jogada individual, passou pela marcação e tentou a finalização por cobertura, mas pegou mal e a bola saiu. Outra chance saiu dos pés de Victor Ferraz, que fez um cruzamento buscando Diogo Barbosa, mas o lateral subiu junto com Kevin e a bola se perdeu pela linha de fundo.

Passados 25’, o Botafogo chegou com Guilherme Santos, que deu um passe para Rentería,  finalizar de fora da área e mandar pra fora.

O Grêmio conseguiu abrir o placar na Arena aos 33 minutos, quando Robinho, pela direita, fez um cruzamento no meio da área. Alisson escorou para Diego Souza mandar para o fundo do gol, colocando o Tricolor na frente. 

Quase que o Tricolor ampliou minutos depois - Diego Souza cruzou da esquerda, a bola desviou na zaga e Alisson tentou concluir, mesmo sem ângulo. A bola bateu na rede, pelo lado de fora.

O Botafogo conseguiu empatar a partida aos 40 minutos, após uma cobrança de falta. A bola foi colocada no segundo poste, Pedro e Victor Ferraz dividiram e ela sobrou para Matheus Babi, que mandou para o fundo das redes.

O Grêmio voltou igual para o segundo tempo e logo foi efetivo, em sua primeira chegada ao ataque. Depois de uma bola bem trabalhada, Diego deu assistência de costas para o gol para o camisa 25 soltar uma bomba e estufar as redes, colocando o Tricolor novamente a frente no marcador, aos 2 minutos.

Após uma dividida com Guilherme Santos, Diego Souza acabou expulso da partida, por deixar o pé depois do lance no adversário. Diante do cenário, o técnico Renato fez sua primeira alteração, tirando Robinho e colocando Isaque, aos 10’.

Os cariocas tentaram buscar o placar e chegaram com uma jogada de Rhuan pela esquerda, que cruzou na área. A bola sobrou para Pedro Raul, que tentou de bicicleta, mas a bola foi para fora. Em seguida, foi a vez de Matheus Babi finalizar quase sem ângulo, mas Vanderlei fez a defesa.

Com 20 minutos jogados, o Grêmio conseguiu chegar ao seu terceiro gol. Depois de uma jogada rápida, Victor Ferraz acionou Pepê invadindo a pequena área, que recebeu e mandou para o fundo do gol, entre as pernas de Diego Cavalieri, assinalando mais um na partida.

O Botafogo ameaçou e buscou encostar no marcador. Em uma nova oportunidade, Matheus Babi recebeu e rolou para Kalou, que mandou por cima do gol de Vanderlei.

Passados 40 minutos, o Tricolor ainda tentou com Pepê, que saiu no contra-ataque, mas acabou parado com falta de Kanu.

Com o resultado, o Tricolor soma três pontos, chega a 20 pontos, ocupando a 10ª posição na tabela de classificação.

 

Fotos: Lucas Uebel | Grêmio FBPA

A Secretaria de Saúde do Estado do Rio Grande do Sul realiza uma série de reuniões com empresários dos setores de eventos para discutir a flexibilização das medidas de distanciamento tomadas em decorrência do novo coronavírus. 

Representantes do ramo de festas infantis estiveram com a secretária de Saúde, Arita Bergmann, o presidente da Assembleia Legislativa, Ernani Polo, além da Diretora do Departamento de Ações em Saúde, Ana Costa para debater o tema.
 
Questões como uso de pratos e talheres, distância das mesas, higienização dos brinquedos e comportamento dos convidados na hora do “Parabéns a você” foram alguns dos pontos levantados pelos presentes.

Pesquisa aponta recuo na taxa de infecção da Covid-19 em todo o país

A ideia é que seja produzido um documento com as novas regras, e partir deste, seja realizado um evento-teste antes de aplicar as mudanças em decreto. De acordo com a pasta, ainda não há datas estimadas. 
 
Além dos buffets infantis, empresários dos ramos de formaturas e bailes também devem se reunir com o governo ainda nesta semana. O Estado do Rio Grande do Sul está classificado, segundo o governo com a bandeira laranja que indica risco médio de infecção pela covid-19.



Fonte: Brasil 61

As máscaras são essenciais para evitar a proliferação e transmissão do COVID-19 entre as pessoas. Entretanto, o uso prolongado e contínuo delas desencadeou vários problemas de pele, desde irritações, descamações e erupções, até mesmo surtos de espinhas e cravos. 

Não à toa, já se fala em um problema novo: a "maskne", que seria a acne causada pelo uso de máscaras de proteção. E o que fazer quando isso acontece? Quais cuidados tomar com a pele?

Academia Americana de Dermatologia listou nove maneiras de prevenir o desenvolvimento de problemas de pele decorrentes do uso da máscara facial.

1 - Limpe e hidrate a pele diariamente: Ter uma rotina diária de cuidados com a pele pode prevenir diversos problemas na derme. O indicado é sempre usar produtos suaves e sem fragrâncias.

O que passar de acordo com o tipo de pele:

  • Pele oleosa (ou para climas quentes e úmidos) - gel hidratante
  • Pele normal ou mista - loção hidratante (é mais líquida que o creme hidratante e é absorvida mais rapidamente pela pele)
  • Pele seca ou muito seca - creme hidratante (é mais consistente e sua absorção na pele é mais demorada)

Os componentes indicados são: ceramidas, ácido hialurônico e dimeticona.

2 - Proteja os lábios: O uso constante da máscara pode causar tanto pele seca quanto lábios rachados. Para manter os lábios hidratados e saudáveis é indicado o uso de vaselina como protetor labial.

O recomendado é usar o produto depois de lavar o rosto, antes de colocar a máscara e antes de dormir.

3 - Evite passar maquiagem ao usar a máscara: A possibilidade de obstruir os poros e causar erupções cutâneas na pele é maior ao usar maquiagem e colocar a máscara por cima. Se for necessário o uso de maquiagem, o ideal é usar produtos "não comedogênicos" ou "livre de óleo".

 

4 - Evite produtos ou tratamentos que possam irritar a pele: O uso da máscara - ainda que por um curto período - pode resultar em uma pele mais sensível. Por isso, para não estimular irritações, é importante que se evite o uso de produtos e tratamentos agressivos para a pele, como esfoliantespeelings químicos ou retinóides.

5 - Use menos produtos de skincare caso a pele fique irritada: Ao cobrir o rosto com a máscara, certos produtos podem passar a irritar a pele. Quando isso acontecer, o recomendado é retirar da sua rotina produtos como: ácido salicílico, retinóides e loção pós-barba.

6 - Escolha a máscara certa: Pode não parecer, mas escolher qual máscara usar e qual tecido é o mais recomendado é tão importante quanto se proteger do coronavírus. Isso porque, ao mesmo tempo em que você pode estar se protegendo do vírus, você também pode estar causando problemas na sua pele.

Por isso, ao escolher uma máscara, busque as que oferecem as seguintes indicações:

  • Ajustável e confortável (principalmente na região do nariz, do queixo e nas laterais)
  • Tecido respirável, natural e macio, como o algodão (especialmente na parte interna da máscara e para quem tem acne ou pele oleosa)

A escolha da máscara certa reduz vários possíveis problemas de pele, e também evita que você fique o tempo todo tendo que ajustá-la no rosto e correr o risco de transferir os germes dela para as mãos.

Tecidos e fibras sintéticas, como nylon, poliéster e rayon, podem causar irritações e erupções na pele.

7 - Faça uma pausa da máscara: O recomendado é deixar a pele respirar por cerca de 15 minutos a cada 4 horas. É importante que, antes de retirar a máscara, você se certifique que está em um ambiente seguro e que tome as medidas sanitárias antes de fazê-lo.

Dos lugares considerados seguros para retirar a máscara são:

  • Ao ar livre (se certificando de que está a pelo menos dois metros de distância das pessoas)
  • Dentro do carro, quando estiver sozinho
  • Em casa
 

8 - Lave a máscara: A lavagem da máscara remove tanto as sujeiras e bactérias externas alojadas, quanto a oleosidade e as células da pele que se acumulam dentro dela.

Além disso, diversas organizações de saúde recomendam que as máscaras sejam sempre lavadas após o seu uso, tanto em uma máquina de lavar quanto manualmente.

Para a lavagem é necessário se certificar de:

  • Lavar a máscara em água quente (a menos que as instruções indiquem o contrário)
  • Usar sabão ou detergente hipoalergênico e sem fragrância

9 - Consulte um médico dermatologista: Para casos persistentes de acnes ou doenças de pele, como rosácea, é muito importante procurar ajuda profissional de um médico dermatologista. Isso porque só ele poderá fazer um diagnóstico preciso sobre a sua condição e criar um plano de tratamento adequado para você.

Fonte: https://www.minhavida.com.br/

Página 2 de 454
Topo