Gisnei

Gisnei

Antes das luzes se acenderem e as câmeras ocuparem o estúdio, a ansiedade tomou conta. Será que aquilo iria dar certo? Experiência, os profissionais tinham de rádio. Agora, a novidade era outra. Não bastariam os sons. As imagens também seriam transmitidas ao vivo, um desafio que deixava artistas, apresentadores, jornalistas e técnicos à beira de um ataque de nervos. Não daria, em tese, para cortar. Mas, começar de novo (quantas vezes fossem necessárias). Tudo com a luz ligada e o coração à boca, como revelam os documentos e pesquisadores da história da televisão no Brasil.

O dia 18 de setembro, uma segunda-feira, entrou para a história brasileira como a data da primeira transmissão da TV Tupi, de iniciativa do empresário Assis Chateaubriand (Chatô), em São Paulo. Setenta anos depois, a primeira década, uma era de experimentação, improviso e muita paixão, deixou um legado que excede o pioneirismo. Uma época de valorização da efervescência cultural que o país experimentava. Era a maior emoção daquele ano quando as três câmeras acenderam as luzes para as palavras do ator Walter Forster: “Está no ar a PRF-3-Tv Tupi de São Paulo, a primeira estação de televisão da América Latina”.

“Quando chega, a televisão tem a seu favor toda a infraestrutura das rádios que já existiam. Os funcionários também tinham a experiência de produção”, afirma o professor Flávio Luiz Porto e Silva, pesquisador de história da televisão no Brasil. Ele explica que foi o amplo conhecimento dos profissionais de rádio que viabilizou a experiência da televisão no Brasil. Naquela noite e todos os outros dias que marcaram aquele início de experiência. “Eles vão aprender fazendo”, afirma o pesquisador.

No ar PRF3 - TV, TV Tupi
Inauguração da TV Tupi contou com três câmeras. Uma delas falhou. - Fundação/ Assis Chateaubriand/direitos reservados

A programação do dia da inauguração incluiu apresentações como da artista cubana Rayito de Sol, da orquestra de Georges Henri, um número do ator Amácio Mazzaropi, e outro de canto de Lia Marques, as notícias de política com o jornalista Maurício Loureiro e até uma celebração com a Canção da TV, cantada por Lolita Rodrigues e Vilma Bentivegna. Os versos da música eram do poeta Guilherme de Almeida (No teu chão, Piratininga/ A cruz que Anchieta plantou: Pois dir-se-á que ela hoje acena/ Por uma altissima antena/ Em que o Cruzeiro poisou/ E te dá, num amuleto, O vermelho, o branco o preto/ Das contas do teu colar/ E te mostra, num espelho/ O preto, o branco o vermelho/ Das penas do teu cocar). Hebe Camargo, originalmente escalada para cantar o hino, ficou afônica. Foi um sucesso, apesar de uma das três câmeras não funcionar na hora da inauguração.

Na prática, a experiência do rádio viabilizou as imagens em movimento. Um rádio com imagens, como salienta o professor e pesquisador Laurindo Leal Filho. “A respeito ao conteúdo a televisão, quase que deu continuidade ao que se fazia no rádio. Eu tenho escrito que a televisão no Brasil teve implementação diferente. Foi o teatro que influenciou bastante o início na Europa. Nos EUA, a TV apoiou-se no cinema”, explica.

"A televisão brasileira, na década de 50, teve um caráter de aventura, com o pioneirismo de seus profissionais desbravando os mistérios do novo veículo", afirmou o professor Edgard Ribeiro Amorim no livro História da TV Brasileira. Ele explica que os primeiros anos foram marcados por uma “fase de aprendizagem” de como funcionaria aquela nova caixa mágica. Responsáveis pela parte técnica precisaram adquirir maior formação profissional na prática diante da novidade. Um tempo, aliás, sem recursos de buscas imediatas a outras referências, como ocorre no século 21. No campo artístico, os profissionais tinham as práticas da época de rádio, cinema e teatro. “Os recursos técnicos eram poucos, com um equipamento mínimo para manter uma estação no ar”, pontua Amorim.


Cronologia dos primeiros anos: 

O Remate Selo Racial, que será realizado no dia 25 de setembro, pela primeira vez na história será exclusivamente virtual. A oferta será de 338 exemplares de diferentes raças, sendo cinco touros Ultrablack e 138 Angus – 54 touros e 84 fêmeas. O modelo de leilão é tendência desta temporada, em razão da pandemia, e poderá ser acompanhado pelo Canal Rural e pelo Lance Rural (www.lancerural.com.br). O remate terá início às 13h30 com a oferta de raças sintéticas e a partir das 20h30 será a vez dos exemplares Angus entrarem em pista.

Os destaques da oferta realizada pelas propriedades Cia. Azul, Cabanha da Corticeira, Rincon Del Sarandy, Tradição Azul e Ave Maria, são os trios de rústicos que iriam para a Expointer e touros que foram pais aos dois anos e estão com três anos. Além disso, todas as vacas estão prenhas e são jovens, sendo que a maioria vai parir a primeira cria, e as mais maduras são de no máximo seis anos. O criador Ignacio Silva Tellechea, proprietário da Cabanha Rincon del Sarandy, de Uruguaiana (RS), destaca que o Selo Racial é tradicional por reunir os melhores animais da geração das cabanhas promotoras. “Mais da metade dos touros é elite nos programas de avaliação, ou seja, são dupla marca. E a oferta de fêmeas é boa para quem quer começar o plantel porque vai ter muito tempo para usar as fêmeas”.

A expectativa segundo Tellechea, é de que a mudança no formato não influencie negativamente no resultado, e que a clientela acompanhe o leilão e faça suas compras normalmente. “Este ano está bastante propício no meu entender porque o mercado está aquecido. A demanda é real e o pessoal precisa comprar”. A leiloeira responsável será a Trajano Silva Remates, com Marcelo Silva no martelo.

Serão disponibilizadas três condições de pagamento: 2 + 2 + 2 + 2 + 2 + 10 (20) parcelas; 5% de desconto no pagamento à vista e Plano Safra com quatro parcelas de entrada e saldo com vencimento em 29 de abril de 2021. Além disso, os clientes fiéis do leilão terão até 7% de desconto extra no Selo Vip.

O catálogo do leilão pode ser conferido em: http://cumulusagrocomunicacao.rds.land/seloracial2020

 

Jornalistas responsáveis:
Carolina Jardine, Leticia Szczesny e Luciana Radicione 

A Sicredi Pampa Gaúcho convidou a Profª Doutora Vera Rita de Mello, maior especialista e estudiosa de psicologia econômica do Brasil para falar sobre Educação Financeira no Baita Prosa

Na última sexta-feira (18), foi ao ar o segundo episódio do Baita Prosa - o talk show da Sicredi Pampa Gaúcho, com o tema Educação Financeira. Com a apresentação do Presidente da Sicredi, José Antônio Menezes, os associados e a comunidade podem desfrutar de um valioso bate papo com a Profª Doutora Vera Rita de Mello disponível no site da Sicredi Pampa Gaúcho.

Pioneira na análise de fenômenos econômicos na ótica combinada de Psicanálise e Psicologia Econômica, Vera Rita de Melo, vem trabalhando na implantação da Psicologia Econômica no Brasil desde 1994. É autora dos primeiros livros nacionais sobre o assunto e representa a Iarep (International Association for Research in Economic Psychology) no Brasil, desde 2004.

Atua como consultora, palestrante e professora de psicologia econômica, arquitetura de escolha e educação financeira pelo Vértice Psi – Instituto de Psicologia Econômica e Ciências Comportamentais, possui o canal Pílulas de Psicologia Econômica, no YouTube, e é vídeo colunista do Valor Investe. Também tem doutorado em psicologia social pela PUC-SP, com tese em psicologia econômica, e é membro do Comitê de Pesquisa da OECD/INFE-International Network for Financial Education.

“Nem sempre estamos no controle da nossa vida financeira da maneira em que pensamos estar, existem muitas explicações oriundas da psicologia que traduzem o nosso comportamento e também a nossa relação com o nosso dinheiro. Por isso, foi uma honra trazer este assunto no Baita Prosa e, contribuir ainda mais com o nosso propósito de melhorar a qualidade de vida dos nossos associados e da sociedade”, diz Zeca Menezes.

Para assistir a este e outros episódios, basta acessar o site da Sicredi Pampa Gaúcho (https://www.sicredi.com.br/coop/pampagaucho/baita-prosa/).

 

Cooperativa Sicredi Pampa Gaúcho Assis Brasil, 1395 97545-080 - Alegrete/RS

A noite desta quarta-feira (16) marcará a retomada da Libertadores para três equipes brasileiras. O Internacional será o primeiro a entrar em campo, a partir das 19h15 (horário de Brasília), no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, o colorado recebe o América de Cali (Colômbia) pela terceira rodada do Grupo E.

Na sequência, às 21h30, o Grêmio joga em Santiago, no Chile, contra o lanterna do Grupo, o Universidad Católica, que perdeu as duas partidas realizada até o momento. Também às 21h30, o Palmeiras encara o Bolívar (Bolívia) em La Paz. Se quiser manter os 100% de aproveitamento, o líder do Grupo B terá que superar o adversário e os 3.640 metros de altitude.

Em busca da manutenção da liderança

Com duas rodadas disputadas, o Grupo E da Libertadores tem dois líderes. Um deles é o Inter, com quatro pontos. A última partida do Colorado foi justamente contra o grande rival Grêmio, que também tem quatro pontos. O Gre-Nal do dia 12 de março acabou em 0 a 0 na Arena Tricolor. Aquela partida terminou em pancadaria generalizada e teve oito expulsões. Do lado do Inter, Moisés, Edenílson, Cuesta e Praxedes receberam cartão vermelho naquela oportunidade. Além das advertências, que os deixa fora do jogo desta quarta, dois jogadores receberam uma punição pesada. Moisés deve ficar fora por quatro partidas, Edenílson por três jogos.

Além disso, a nova lista de inscritos apresentada pelo clube na última semana teve várias novidades. Lucas Ribeiro, Matheus Jussa, Yuri Alberto, Leandro Fernández e Abel Hernández entraram no grupo, além dos jovens da base João Peglow, Emerson, Léo Borges, Leonardo Ferreira, Keiller e Tiago Barbosa. Além deles, a principal novidade é Rodrigo Dourado, volante que não joga há mais de 15 meses.

Adversário do time brasileiro, o América de Cali fez o último jogo oficial pela Libertadores no dia 10 de março, quando venceu a Universidad Católica por 2 a 1 no Chile. O campeonato colombiano retornou nesse final de semana com a realização de duas partidas, mas o América de Cali ainda não atuou.

Desde julho, quando retomou os treinos, fez duas partidas. Diante do Junior Barranquilla, pelas finais da Superliga local, venceu fora por 2 a 1 e perdeu o título em casa ao levar 2 a 0.

Procurando vitória no Chile

O Grêmio, que tem o mesmo número de pontos do Internacional no Grupo E, não vem em um bom momento no Campeonato Brasileiro. O Tricolor está na décima posição com 12 pontos. Do time que jogou o Gre-Nal de março até a equipe que empatou com o Fortaleza no último domingo, seis nomes se repetiram: o goleiro Vanderlei, os zagueiros Geromel e David Braz, o meia Maicon e os atacantes Alisson e Diego Souza. Dos quatro expulsos do clássico da Libertadores, o atacante Luciano e o lateral Caio Henrique não estão mais no clube. O zagueiro reserva Paulo Miranda foi punido com três jogos, e o atacante Pepê tem que cumprir a suspensão nesta quarta.

Na nova lista de inscritos estão o lateral Diogo Barbosa, o meia Robinho e os atacantes Everton e Luiz Fernando. Também foram incluídos garotos da equipe sub-23: Vinicius Machado (goleiro), Jefferson (lateral-esquerdo), Jhonata Varela (volante), Elias (atacante) e Da Silva (centroavante). A grande ausência é o atacante Everton Cebolinha, negociado com o Benfica.

A ida dos brasileiros a Santiago exigirá adaptações aos protocolos sanitários chilenos. O Tricolor embarcou na manhã da última terça em voo fretado, e terá que passar, obrigatoriamente, por uma nova rodada de exames de covid-19 ao chegar à capital chilena. O Chile vive uma reabertura gradual imposta pelo presidente Sebastián Piñera. O local onde está o estádio San Carlos de Apoquindo está na fase 3, que permite abertura de shoppings e lojas. Reuniões sociais têm o limite de cinco pessoas.

O Universidad Católica voltou a disputar há pouco tempo o Campeonato Chileno, somando três vitórias em quatro jogos desde a retomada, e garantindo a liderança da competição com 28 pontos em 11 jogos, com nove vitórias, um empate e uma derrota.

Jogo na altitude

O terceiro jogo com brasileiros na noite será o do Palmeiras, que lidera o Grupo B com seis pontos em dois jogos. A última partida do Verdão na Libertadores foi a vitória de 3 a 1 sobre o Guaraní (Paraguai). Naquela oportunidade, o centroavante Luiz Adriano marcou os três gols. Nos últimos meses, o time mudou tanto que nem o centroavante estava presente no último jogo do Verdão, o empate em 2 a 2 com o Sport, no último domingo, pelo Campeonato Brasileiro.

Nesses últimos meses o atacante Dudu saiu, e vários garotos da base ganharam espaço na equipe do técnico Vanderlei Luxemburgo, com destaque para os meias Patrick de Paula e Gabriel Menino e os atacantes Gabriel Veron e Wesley. Outros três garotos foram inscritos na nova lista divulgada na última semana pelo Verdão, o lateral-esquerdo Renan, o meio-campista Danilo e o atacante Gabriel Silva, que chegou a herdar a camisa sete do ídolo Dudu.

Enquanto o Palmeiras fez 15 jogos e conquistou o título estadual desde o seu retorno às competições em 22 de julho, o Bolívar vive exatamente a mesma situação do Jorge Wilstermann. Fez a última partida em 14 de março, ainda pela Libertadores. Foi a vitória por 2 a 0 sobre o Tigre (Argentina), jogando em casa. Depois foram apenas treinamentos. A liberação oficial do governo boliviano aconteceu apenas no dia 31 de julho, para o retorno das atividades do clube. O Bolívar tem uma vitória e uma derrota em dois jogos no Grupo B da Libertadores.

Veja a classificação atualizada da Copa Libertadores.

Edição: Fábio Lisboa

Um ato da Comissão Diretora do Senado, publicado na noite de ontem (15), traz regras para a primeira semana de atividades semipresenciais da Casa, desde 20 de março quando o Congresso Nacional reconheceu o estado de calamidade pública por conta do novo coronavírus. Nesse período, o plenário passou a funcionar por meio de um sistema de deliberação remota e entre as comissões, somente a de acompanhamento ao novo coronavírus e a Comissão Mista Temporária da Reforma Tributária realizaram audiências remotas neste período.

Conforme já havia sido anunciado pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), as sessões da semana que vem não representam o retorno total das atividades presenciais do Senado. A votação de autoridades é realizada pelo sistema de biometria, o que implica na presença do parlamentar em plenário.

Cronograma

O ato diz que o modelo semipresencial ocorrerá “em caráter experimental” de 21 a 25 de setembro. Pelo cronograma o publicado, a semana começa com uma reunião da Comissão de Relações Exteriores (CRE) para realizar 33 sabatinas de diplomatas candidatos aos postos do Brasil no exterior.

Já na terça-feira (22) pela manhã a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) fará sabatinas a três indicados ao cargo de ministro do Superior Tribunal Militar (STM). No mesmo dia à tarde será a vez do plenário do Senado iniciar a apreciação dessas autoridades. Como são muitos nomes, essa fase pode se estender até quinta-feira (24). Para serem aprovados os nomes precisam alcançar a maioria simples dos votos, ou seja, metade mais um dos participantes.

Na sexta-feira (25) terá prioridade, segundo o ato, a sessão de debates temáticos destinada a discutir os desafios econômicos, sociais e ambientais para o Brasil no período pós-pandemia.

Novas regras

Para dar mais agilidade ao processo nas comissões para apreciação das autoridades sujeitas a sabatina, o relator da indicação deverá apresentar o relatório escrito, que será disponibilizado no portal do Senado Federal e sua leitura integral dispensada na sessão. O sabatinado poderá se apresentar presencialmente ou por via remota, a forma será definida com o presidente da Comissão.

As regras de acesso aos plenários das Comissões serão encaminhadas previamente por escrito à Secretaria de Polícia do Senado Federal, para que execute as medidas de controle e fiscalização. Para votação das indicações no âmbito das Comissões, serão instalados totens de votação secreta no corredor das Comissões e na portaria da garagem do Senado.

Já na apreciação das indicações pelo plenário do Senado Federal, serão observadas as seguintes diretrizes: cada autoridade será votada individualmente; para as votações, serão instalados diversos totens externos ao plenário, com as mesmas funcionalidades dos dispositivos de votação no plenário. Também haverá totens na Chapelaria do Senado, destinados preferencialmente aos senadores em grupo de risco, para que possam exercer seu direito ao voto sem necessitar entrar no edifício do Senado Federal. Os totens deverão informar o nome, o cargo e a a imagem do sabatinado.

Acesso

O acesso ao plenário do Senado será controlado por policiais legislativos e reservado a senadores, deputados federais desacompanhados e ao número indispensável de funcionários da Secretaria-Geral da Mesa, da Secretaria de Comunicação Social e da Secretaria de Polícia Legislativa. O distanciamento social será realizado por meio da limitação de cadeiras para garantir o limite físico de segurança. Já a transmissão de imagens e a captura de fotos nas dependências do plenário serão realizadas exclusivamente pelos veículos oficias da Casa.

Os senadores que integrarem o grupo de risco estarão dispensados da presença, nos termos do Ato do Presidente nº 4, de 2020. Durante o funcionamento semipresencial do Senado, os senadores que estiverem fora das dependências do Senado Federal poderão usar da palavra por meio do Sistema de Deliberação Remota e participar de eventuais votações ostensivas. Nas deliberações secretas, como no caso de autoridades, somente os senadores que estiverem fisicamente nas dependências do Senado poderão votar.

Edição: Valéria Aguiar

Desenvolvida pela empresa brasileira de biotecnologia Farmacore, em parceria com a PDS Biotechnology Corporation, acaba de receber o apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP)

A vacina que visa prevenir a infecção por Covid-19, desenvolvida pela empresa brasileira de biotecnologia Farmacore, em parceria com a PDS Biotechnology Corporation, acaba de receber o apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) e está prestes a receber aprovação para financiamento pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) para acelerar o desenvolvimento dos testes necessários para habilitação da vacina perante a Anvisa.

Denominada Versamune®-CoV-2FC, a vacina é a combinação de uma proteína SARS-CoV-2 recombinante, desenvolvida pela Farmacore, com a nanotecnologia da plataforma Versamune®, da PDS Biotech, uma tecnologia patenteada para a ativação das células T.

A junção das tecnologias da Farmacore Biotecnologia e Versamune da PDS Biotechnology é um caminho novo, extremamente promissor, para uma vacina de efeito duplo e seguro no combate ao coronavirus (COVID 19). 

“A tecnologia de produção da Vacina é de fácil escalonamento, o que possibilitará sua fabricação em território brasileiro e licenciamento aos demais países”, explica Helena Faccioli, CEO da Farmacore.

O Projeto prevê a produção e teste de um antígeno composto pelas proteínas S do SARS-Cov2 (Covid 19) juntamente com nove imunogênicos capazes de provocar uma resposta imunológica para produção de anticorpos de combate ao coronavírus. A seleção destas regiões imunogênicas foi realizada por análise bioinformática para maximizar o carregamento no sistema de defesa humano e ativação dos linfócitos T (especificamente os linfócitos  CD4+ e CD8+, que são os guerreiros de frente no reconhecimento do vírus e combate aos mesmos).

"Esta é uma inovação importante para diferenciar esta vacina daquelas que estão sendo testadas mundo afora, pois ao mesmo tempo em que induz a produção de anticorpos pelo mecanismo do antígeno da proteína do vírus - imunidade adaptativa - também reforça sobremaneira a resposta imunológica diretamente no sistema de defesa celular- defesa inata-, formando um poderoso "combo", numa inovação cientifica de extremo valor", diz Helena.

Essa será a primeira vacina contra o coronavírus desenvolvida inteiramente no Brasil e tem potencial de integrar os esforços globais na busca de uma prevenção definitiva contra os efeitos da pandemia, num cronograma acelerado que tem como objetivo realizar os testes pré-clínicos até outubro desse ano e o início de testes clínicos no primeiro trimestre de 2021, com produção industrial no segundo semestre de 2021.

Evidente que a empresa compete por recursos federais e estaduais com os grandes concorrentes de conhecimento da imprensa. Mas, nesta verdadeira batalha de Davi x Golias, o Brasil conta com a persistência, inventividade e alta capacitação da Academia brasileira, além, claro, do apoio do Governo brasileiro, dos Institutos de Pesquisa e órgãos de fomento.

Sobre a PDS Biotechnology

A PDS Biotech é uma empresa de imunoterapia em estágio clínico com um crescente número de imunoterapias contra o câncer e vacinas contra doenças infecciosas com base na plataforma de tecnologia de ativação de células-T Versamune® (propriedade intelectual da empresa). O Versamune® efetivamente fornece antígenos específicos da doença para captação e processamento in vivo, além de ativar a importante via imunológica do interferon do tipo 1, resultando na produção das potentes células-T “killer”, além de anticorpos neutralizadores. A PDS Biotech tem criado várias terapias com base em combinações de Versamune® e antígenos específicos de doenças, projetados para treinar o sistema imunológico a reconhecer melhor as células da doença e efetivamente atacá-las e destruí-las. Para saber mais, visite www.pdsbiotech.com ou siga-nos no Twitter em @PDSBiotech.

Sobre Farmacore

A Farmacore é uma empresa de biotecnologia fundada em 2005 como uma startup, com foco em pesquisa e desenvolvimento de produtos imunobiológicos inovadores para uso nos setores de saúde humana e veterinária. É uma empresa de base tecnológica que realiza pesquisa e desenvolvimento de produtos e processos biotecnológicos para os setores humano e veterinário. Desenvolve produtos biotecnológicos e imunobiológicos inovadores e agrega valor a eles em todas as etapas do desenvolvimento, desde a concepção do projeto até a produção de biomoléculas www.farmacore.com.br.

Sobre o Versamune®-CoV-2FC

Versamune®-CoV-2FC  é um projeto de vacina para COVID-19 que combina a plataforma Versamune® de ativação imune com uma proteína de fusão recombinante desenvolvida pela Farmacore a partir do Coronavírus 2, da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS-CoV-2). reconhecível por nosso sistema imunológico (antígeno). O perfil alvo da vacina é fornecer rápida indução de anticorpos neutralizantes, bem como células-T “killer” e células-T de memória contra o vírus SARS-CoV-2, em pacientes vacinados com Versamune®-CoV-2FC para proteger contra o COVID-19 e impedir a propagação da infecção.

Informações à imprensa

Miriam Lago: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Renato Lopes – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Tel.: (11) 93801-6900

A indicação de um shampoo é individual e irá depender de vários fatores, como o estado do cabelo, do couro cabeludo, o seu tipo e até mesmo hábitos pessoais de cada um. 

A princípio, o que se espera deste produto é que cuide e higienize. Para tanto, a maioria atribui sua função de limpeza a fazer bastante espuma.

Bem, para começar a quantidade de espuma não é determinante na ação de limpar e também não é sinônimo necessariamente de um shampoo eficiente. Isto porque há diversos produtos com os quais alcançamos ótimos resultados e que não fazem tanta espuma. E dentre eles, está o shampoo sem sal!

Por que usar shampoo sem sal?

É preciso primeiramente saber que estes shampoos sem sal não são destituídos completamente do cloreto de sódio. Apenas a quantidade usada em suas formulações é mínima, tendo como proposta não prejudicar e agredir os cabelos.

Em geral, a adição do cloreto de sódio tem como objetivo promover consistência e volume ao produto e criar espuma. No entanto, apesar do marketing da indústria cosmética, o cloreto de sódio não é tão controverso como se propaga, até porque esse tipo de sal é significativamente solúvel em água e quando se enxágua bem os fios ele é removido.

Porém, a tendência mundial no mercado de beleza é a redução deste componente, para minimizar os possíveis danos. Quando há excesso de cloreto de sódio, pode resultar numa perda natural de óleo e sebo que é produzido no couro cabeludo e cuja finalidade é proteger os fios.

As consequências do uso contínuo podem provocar ressecamento, fios desidratados e sem brilho. Por isso, não abuse! Comumente vem sendo contraindicado para cabelos cresposcacheados, secos e aqueles com procedimentos químicos.

Qual shampoo não usar

Muitos shampoos somente lavam e não tratam dos cabelos e agem como verdadeiros "detergentes". Certamente eles não são recomendados para quem deseja ter cabelos saudáveis e bonitos.

Especificamente neste caso, se podem destacar os shampoos que usam outro tipo de sal, que é lauril sulfato de sódio, que tem intenso efeito detergente e retira a camada protetora do couro cabeludo e dos cabelos. Este sim um grande vilão que causa normalmente ressecamento e danos mais profundos aos fios, sobretudo, nos secos.

Existem inúmeros princípios ativos que devem ser considerados na lavagem e no tratamento do cabelo e do couro. Por isso, ter a orientação e avaliação de um profissional especializado é fundamental, para se ter ciência do estado em que realmente se encontram.

 

Lembre-se que um shampoo inadequado ao cabelo pode alterar ou comprometer os benefícios a que se propõe e afetar concretamente o resultado de qualquer tratamento.

É indispensável, portanto, avaliar previamente o que este irá precisar para então indicar quais são os produtos aconselhados e qualificados assim como quais os nutrientes necessários para repor a carência dos fios ou ainda mantê-los saudáveis.

Além disso, a lavagem é sempre um ritual importante e que merece atenção para a saúde capilar. Deve ser feita de maneira suave e eficiente, com movimentos suaves e circulatórios, que precisam abranger toda a extensão do couro cabeludo.

E não se esqueça de evitar usar as unhas, que não vão intensificar a limpeza e sim agredir ou até lesionar o escalpe, assim como estimular a oleosidade.

Escrito por Joana D'arc Diniz
Dermatologia - CRM 52677868/RJ
 

Na tarde deste domingo, o Grêmio empatou com o Fortaleza, em partida válida pela 10ª rodada do Campeonato Brasileiro. Em um jogo truncado de pouca qualidade técnica, o Grêmio não conseguiu superar o time nordestino. O atacante Osvaldo abriu o placar para o Fortaleza e o Diego Souza, em cobrança de pênalti, anotou o gol gremista. Com o resultado, o Tricolor Gaúcho ocupa a décima colocação na competição.

A primeira boa chegada foi do Fortaleza, logo aos três minutos. Em investida pela esquerda, o atacante Osvaldo obrigou o goleiro Vanderlei a fazer grande defesa para escanteio. Na sequência do lance a zaga do Grêmio afastou sem maiores problemas. Após o lance, o Grêmio ampliou seu volume de jogo e passou a rondar a área do goleiro do Fortaleza, porém sem perigo.

O Fortaleza abriu o placar aos onze minutos após cruzamento da esquerda feito pelo atacante Osvaldo. Em indefinição defensiva, a bola quicou na grande área e foi para o fundo das redes do goleiro Vanderlei. Um a zero para o Fortaleza.

O Grêmio tentava jogadas pelos lados, mas enfrentava muita dificuldade na criação das jogadas ofensivas. A melhor chegada Tricolor foi em finalização do atacante Alisson, que recebeu passe rasteiro de Diego Souza e finalizou de primeira, obrigando o goleiro Felipe Alves a fazer grande defesa. Aos 32 minutos do segundo tempo, o volante Maicon foi substituído pelo meia Robinho. Até o final do primeiro tempo, o Grêmio seguiu com dificuldades de criação e finalizações e o placar se manteve zerado. No intervalo de jogo, o técnico Renato Portaluppi promoveu a entrada do atacante Luiz Fernando no lugar de Isaque. 

No segundo tempo, o Grêmio foi pra cima e logo no início, o atacante Éverton foi empurrado pelo defensor do Fortaleza e o árbitro da partida marcou a penalidade máxima para o Grêmio. A cobrança foi do centroavante Diego Souza, que bateu à meia altura e o goleiro Felipe Alves fez a defesa. No rebote, Luiz Fernando colocou pro fundo das redes, mas o árbitro mandou voltar a cobrança por invasão na grande área. Na segunda cobrança, Diego Souza bateu forte no canto esquerdo do goleiro do Fortaleza, que ainda tocou na bola antes de morrer no gol do time nordestino. Empata o Tricolor na Arena!

O Grêmio melhorou após seu gol e chegava com certo perigo, principalmente com investidas do atacante Luiz Fernando. Porém, aos 25 minutos da etapa complementar, após confusão com o lateral Gabriel Dias, o juiz Igor Benevenutto expulsou ambos atletas, deixando as equipes com dez em campo. Aos 40 minutos, o Grêmio colocou a bola nas redes do Fortaleza com o lateral Orejuela, mas o árbitro assistente invalidou o gol gremista por impedimento no ataque.

No final do jogo, o técnico Renato Portaluppi promoveu a entrada de Ferreira e Guilherme Azevedo nos lugares de Éverton e Orejuela. O Grêmio tentava furar o bloqueio defensivo do time do Fortaleza, mas sem sucesso. 

Fim de jogo na Arena, Grêmio 1x1 Fortaleza.

Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA

Criado pelo Banco Central, o Pix é uma nova plataforma de pagamentos que começará a funcionar em todo o país a partir de novembro deste ano. A novidade vem ganhando espaço nas manchetes da mídia nacional e, com isso, começaram a surgir os questionamentos e as dúvidas na população: mas afinal, o que muda no dia a dia dos brasileiros?

O Pix é mais simples do que parece, principalmente se comparado aos meios de pagamentos que existem hoje. Atualmente, quem deseja enviar dinheiro de uma instituição financeira para outra tem duas escolhas: ou TED ou DOC. Por meio do TED (Transferências Eletrônica Disponível), o dinheiro enviado a outra instituição é creditado na conta do destinatário até as 17h do mesmo dia. A transferência realizada após este horário é agendada para o próximo dia. Também, não existe valor mínimo e nem máximo a ser transferido. Já com o DOC (Documento de Ordem de Crédito), o dinheiro cai na conta de destino no dia seguinte, podendo levar mais de um dia útil se a transferência for feita após as 22h. Além disso, nessa modalidade existe o valor máximo de R$ 4.999,99.

Você deve estar se perguntando: Estes dois meios de pagamentos já não atendem as nossas necessidades? E a resposta que eu digo é: não! O tempo e o custo são os grandes diferenciais do PIX, pois tanto o TED quanto o DOC funcionam somente em dias úteis – ou seja, não é possível realizar a transferência em feriados e finais de semana. Já o Pix funcionará 24 horas por dia, 7 dias da semana e em todos os dias do ano. A nova plataforma de pagamentos promete realizar transações em tempo real e, dessa forma, o dinheiro cairá de uma conta para outra em questão de segundos. Outro diferencial do PIX, não menos importante, é o custo. Praticamente nulo, o valor cobrado será de R$ 0,01 a cada 10 transações.

É importante ressaltar que o Pix não se limita apenas a transferências entre instituições financeiras diferentes, ele também possibilitará mais agilidade para realizar pagamentos. Por meio do Pix, será possível a leitura de códigos de barras e QR Codes com compensação instantânea. Sendo assim, acabou a espera de até dois dias úteis para o processamento de boletos.

 

*Por Henrique Assis

A Caixa Econômica Federal deposita nesta segunda-feira (14) o saque emergencial do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para os trabalhadores nascidos em novembro. O pagamento será feito na conta poupança social digital, aberta automaticamente pelo banco em nome dos beneficiários.

Anunciado como instrumento de ajuda aos trabalhadores afetados pela pandemia de covid-19, o valor do saque emergencial é de até R$ 1.045, considerando a soma dos saldos de todas as contas ativas ou inativas no FGTS. No total, cerca de R$ 37,8 bilhões estão sendo liberados para aproximadamente 60 milhões de pessoas com direito ao saque.

Nesta fase, o dinheiro poderá ser movimentado apenas por meio do aplicativo Caixa Tem. A ferramenta permite o pagamento de boletos (água, luz, telefone), compras com cartão de débito virtual em sites e compras com código QR (versão avançada do código de barras) em maquininhas de cartão de lojas parceiras, com débito instantâneo do saldo da poupança digital.

Já o saque em dinheiro estará disponível a partir de 14 de novembro, assim como a transferência para outra conta bancária. O calendário de crédito na conta digital e de saques foi estabelecido com base no mês de nascimento do trabalhador.

Orientações

O trabalhador poderá indicar que não deseja receber o saque emergencial do FGTS até 10 dias antes do início do seu calendário de crédito na conta. E caso não haja movimentação na conta digital até 30 de novembro deste ano, o valor será devolvido à conta do FGTS com a devida remuneração do período, sem prejuízo para o trabalhador.

A Caixa orienta os trabalhadores a verificar o valor do saque e a data do crédito nos canais de atendimento eletrônico do banco: aplicativo FGTS, site fgts.caixa.gov.br e telefone 111 (opção 2). Caso o trabalhador tenha direito ao saque emergencial, mas não teve a conta poupança digital aberta automaticamente, deverá acessar o aplicativo FGTS para complementar os dados cadastrais e receber o dinheiro.

O banco alerta que não envia mensagens com pedido de senhas, dados ou informações pessoais. Também não envia links nem pede confirmação de dispositivo ou acesso à conta por e-mail, mensagem de texto de celular (SMS) ou WhatsApp.

Edição: Nélio de Andrade

Página 8 de 454
Topo