Gisnei

Gisnei

Diabetes mellitus (ou simplesmente diabetes) é uma condição crônica que afeta a capacidade do corpo de usar a energia encontrada nos alimentos. Existem dois tipos principais da doença: o diabetes tipo 1 e tipo 2.

Os tipos de diabetes têm algo em comum. Normalmente, o corpo metaboliza os açúcares e carboidratos ingeridos em um açúcar especial chamado glicose, responsável por alimentar as células do organismo. Mas as células precisam de insulina (hormônio produzido pelo pâncreas) na corrente sanguínea para absorver a glicose e usá-la como energia.

Em condições normais, quando o nível de glicose no sangue sobe (por conta da alimentação, por exemplo), as células pancreáticas, chamadas de células beta, produzem a insulina com o intuito de regular o açúcar que circula pela corrente sanguínea.

Com o diabetes, o pâncreas não produz insulina suficiente e não pode usar a insulina que produz por aumento da resistência dos tecidos à ação da insulina ou uma combinação de ambos.

Diabetes tipo 1

É também chamado de "diabetes dependente de insulina". Costumava ser chamado diabetes juvenil, porque geralmente começa na infância. É uma condição autoimune e causada pelo corpo que ataca seu próprio pâncreas com anticorpos. Em portadores de diabetes tipo 1, o pâncreas danificado não produz insulina.

A condição pode ser causada por uma predisposição genética, porém também pode ser resultado de células beta defeituosas no pâncreas que passam a produzir menos insulina.

Uma série de riscos está associada ao diabetes tipo 1. Muitos deles resultam de danos aos minúsculos vasos sanguíneos dos olhos (retinopatia diabética), nervos (neuropatia diabética) e rins (nefropatia diabética). Ainda mais grave é o aumento do risco de doenças cardíacas e derrame.

O tratamento envolve tomar insulina, que precisa ser injetada no tecido subcutâneo, logo abaixo da pele - remédios orais pouco ajudam nessas circunstâncias, geralmente.

Ter diabetes tipo 1 requer mudanças significativas no estilo de vida que incluem:

  • Testes frequentes de seus níveis de açúcar no sangue
  • Planejamento cuidadoso das refeições
  • Exercícios diários
  • Tomar insulina e outros medicamentos, conforme necessário

No entanto, vale ressaltar que portadores dessa condição podem levar vidas longas e ativas se monitorarem cuidadosamente sua glicose, fizerem as mudanças necessárias no estilo de vida e aderirem ao plano de tratamento.

Um exame de sangue periódico chamado hemoglobila glicada (Hb A1c) estima os níveis de glicose no sangue nos últimos três meses. É usado para ajudar a identificar o controle geral do nível de glicose e o risco de complicações do diabetes, incluindo danos aos órgãos acima descritos. Além disso, acompanhamento com oftalmologistas e outros profissionais pode ser necessário para a prevenção e tratamento das condições associadas.

Diabetes tipo 2

De longe, essa é a forma mais comum de diabetes, responsável por 95% dos casos em adultos. Cerca de 12 milhões de brasileiros já foram diagnosticados com a doença.

diabetes tipo 2 costumava ser chamado de "diabetes do adulto", mas, com o aumento do índice de obesidade em adolescentes, os mais jovens também estão desenvolvendo a doença.

É muitas vezes uma forma mais branda do que o tipo 1. No entanto, essa enfermidade crônica e progressiva também pode causar complicações graves à saúde, como aquelas decorrentes do primeiro tipo: doença da retina, nervos e rins. O diabetes tipo 2 é causa importante de diálise, transplante renal, cegueira e amputações de membros. Além disso, aumenta o risco de doenças cardíacas e derrame.

Nesse cenário, o pâncreas geralmente produz alguma insulina, embora a quantidade produzida não seja suficiente para as necessidades do corpo - ou, então, as células do corpo são resistentes a ela. A resistência à insulina, ou falta de sensibilidade à ela, ocorre principalmente nas células adiposas, hepáticas e musculares.

Pessoas que têm sobrepeso ou são obesas têm um risco particularmente alto de desenvolver diabetes tipo 2 e seus problemas médicos relacionados, pois geralmente são resistentes à insulina e, com isso, o pâncreas precisa trabalhar excessivamente para produzir maior quantidade desse hormônio. Mas, ainda assim, não há o suficiente para manter os açúcares normais.

Não há cura para o diabetes. O tipo 2 pode, no entanto, ser controlado com modificações do estilo de vida e medicações. Em diversas circunstâncias, os portadores de diabetes do tipo 2 utilizam insulina, à semelhança dos portadores do diabetes do tipo 1.

Frequentemente, os portadores de diabetes do tipo 2, além de sobrepeso e obesidade, têm como doenças associadas a hipertensão e os distúrbios do colesterol e triglicérides. Essas condições devem ser monitoradas com exames de sangue periódicos, em conjunto com a medida da glicemia e hemoglobina glicada. Se presentes, além das medicações contra o diabetes, também devem ser tratadas com remédios específicos.

Os pacientes são acompanhados por seus médicos clínicos e outros especialistas, que devem ser consultados periodicamente em relação ao controle de eventuais complicações da progressão da doença e suas consequências.

O diabetes do tipo 2 em obesos, quando não controlado com modificações do estilo de vida e medicações, pode ser tratado com procedimento cirúrgico que tem autorização pelo Conselho Federal de Medicina. Quando é corretamente indicado, tem excelentes resultados a longo prazo e é muito seguro.

Escrito por Ricardo Cohen
Cirurgia Geral - CRM 51609/SP
Fonte: www.minhavida.com.br

 

Depois de quase três anos de atuação em Porto Alegre, a Força Nacional deixará o Estado. O comunicado foi feito pelo secretário nacional de Segurança Pública, general Guilherme Theophilo, em visita à capital na última sexta-feira (22).

O governo do Rio Grande do Sul havia solicitado a renovação do pedido para a permanência da Força Nacional em território gaúcho. Mas, nesta manhã, o general Theophilo informou da impossibilidade de renovação devido à necessidade de encaminhar os agentes para o Pará, onde existe um pedido de urgência.

O vice-governador e secretário da Segurança Pública, Ranolfo Vieira Júnior, agradeceu o empenho e o auxílio da Força Nacional e do governo federal durante o período que o Estado mais precisou do reforço.

"No momento, o efetivo que ainda se encontrava em Porto Alegre era pequeno. Tínhamos 54 policiais militares e nove policiais civis. Por isso, a saída desses agentes não deve causar grande impacto na segurança", disse o vice-governador, lembrando ainda que, no mês de agosto, será concluída a formação de cerca de 2.400 policiais que irão se agregar às forças de segurança do Estado.

Texto: Ascom SSP
Edição: Marcelo Flach/Secom

O Grêmio entrou em campo no estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, para disputar a primeira partida da fase das quartas de final do Campeonato Gaúcho. Enfrentou e venceu o Juventude, pelo placar de 6 a 0.

Os minutos iniciais foram de superioridade gremista, ainda mais com a expulsão de Genílson, que cometeu uma grave falta sobre Pepê no início da partida. O gol saiu aos 23’, após cobrança de escanteio. Marcelo Oliveira recebeu dentro da área, girou e mandou ao gol, abrindo o placar.

O segundo tempo começou bem para o Tricolor, que aos 6 minutos, foi efetivo e chegou ao seu segundo gol. Maicon fez um cruzamento, André dominou e chutou, mas o goleiro Marcelo Carné espalmou. Thaciano estava bem colocado e pegou o rebote, chutando para o fundo das redes. Com 11’, em cobrança de falta, Luan chutou por fora da barreira, e assinou o terceiro, marcando um lindo gol.

Aos 17’, em novo ataque, Alisson tentou por cobertura e Marcelo Carné espalmou. Luan pegou o rebote e mandou de peito para as redes. Aos 40', o quinto gol. Tardelli recebeu na grande área e chutou cruzado. Marcelo Carné desviou e, na tentativa de cortar, Felippe marcou contra.

O sexto saiu dos pés de Diego Tardelli, aos 42', quando ele recebeu um lançamento de Luan e mandou por cobertura, sem chances para o goleiro do Juventude.
 

Primeiro Tempo

Aos 3 minutos de partida, o Grêmio criou uma boa jogada. André passou pela marcação de dois adversários e acionou Matheus Henrique. O meia desceu em velocidade e tentou devolver o passe, mas a defesa do Juventude conseguiu cortar em frente a grande área.

Com 10 minutos, o Tricolor criou uma grande chance. Maicon fez um lançamento para Thaciano, que recebeu e acionou André. O atacante chegou e mandou a gol, obrigando Marcelo Carné a fazer uma grande defesa.

Em seguida, da esquerda, a bola foi cruzada na área, Thaciano desviou, mas a bola se perdeu pela linha de fundo.

O Juventude chegou pela primeira vez aos 13’, em cobrança de escanteio, mas a bola foi interceptada pela defesa gremista. Na sequência, Denner cobrou uma falta na área, mas que não levou perigo a meta defendida por Paulo Victor.

Aos 17’, os donos da casa tiveram uma oportunidade clara de gol. A bola foi alçada na área, dois jogadores dividiram e ela sobrou para Genílson, que chutou, mas por sobre o gol. Dois minutos depois, Genílson foi expulso por uma falta grave sobre Pepê, na esquerda.

Com 23’, depois de uma sequência de jogadas ofensivas, Luan recebeu no meio e chutou de fora da área. Mais uma vez, Marcelo Carné fez boa defesa. Mas logo no lance seguinte, após cobrança de escanteio, Marcelo Oliveira recebeu dentro da área, girou e mandou ao gol, abrindo o placar.

O Juventude buscou responder com um chute rasteiro de Denner, mas Paulo Victor estava na bola e defendeu.

Aos 43’, André recebeu na intermediária e chutou forte, mas mandou por sobre o gol, sem perigo para Marcelo Carné. No minuto seguinte, Vidal recebeu na direita e chutou muito forte, mas Paulo Victor conseguiu defender.

Já nos acréscimos, Thaciano fez uma nova boa jogada, cruzando para André. A defesa afastou, mas no rebote, Maicon chutou e por pouco não marcou.

Jogo finalizou aos 49’.
 

Segundo Tempo

O Grêmio voltou a campo com a mesma formação.

A primeira chance do Tricolor veio logo antes do minuto inicial. Pepê recebeu dentro da área, mas finalizou mal e Rafael Jataí cortou. Em seguida, André, cabeceou um cruzamento, mas mandou pra fora.

O Juventude tentou aos 3’, em falta, mas a bola bateu na barreira. A sobra ficou com Dalberto, que chutou, mas Paulo Victor defendeu.

Aos 6 minutos, o Grêmio foi efetivo e chegou ao seu segundo gol. Maicon fez um cruzamento, André dominou e chutou, mas o goleiro  Marcelo Carné espalmou. Thaciano estava bem colocado e pegou o rebote, chutando para o fundo do gol.

Substituição: Saíram Pepê e Thaciano, entraram Tardelli e Alisson

Com 11’, em cobrança de falta, Luan chutou por fora da barreira, direto para o fundo das redes, marcando o terceiro gol gremista.

O Grêmio já ia construindo mais um bom lance, quando André recebeu atrás da defesa, um preciso lançamento de Maicon, mas o assistente deu impedimento.

Ataque gremista pressiona a saída de bola, Alisson tenta por cobertura, e Marcelo Carné espalma. Luan, atento, coloca com o peito para o fundo da rede

Aos 17’, em novo ataque Alisson tentou por cobertura, e Marcelo Carné espalmou. Luan pegou o rebote e mandou de peito para o fundo do gol.

Substituição: Saiu Leonardo Gomes, entrou Felipe Vizeu, aos 19’.

Aos 24’, o Juventude chegou com perigo, quando Vidal serviu Dalberto, que finalizou por cima. Em resposta, Tardelli mandou de cabeça, mas o arqueiro do Juventude defendeu.

André fica cara a cara com o goleiro do Juventude, que fecha o ângulo e salva o time de Caxias do Sul

Aos 38’. quase que o Juventude marcou com Breno. No lance, Paulo Victor defendeu e ainda evitou o rebote, quase em cima da linha. Grande defesa.

E veio o quinto gol gremista aos 40’. Tardelli recebeu na grande área e chutou cruzado. Marcelo Carné desviou e, na tentativa de cortar, Felippe marcou contra.

O sexto saiu dos pés de Diego Tardelli, aos 42, quando ele recebeu um lançamento de Luan e mandou por cobertura, sem chances para o goleiro do Juventude.

Jogo finalizou aos 45’.

Foto: Lucas Uebel | Grêmio FBPA

A Sicredi Pampa Gaúcho tem o seu período de Assembleias de 11 a 29 de março, em 10 municípios de sua área de atuação. A Assembleia Geral Ordinária acontece em 13 de abril, na Superintendência Regional, em Alegrete. 

No município de Santana do Livramento, a Assembleia será realizada no dia 29 de março, no Galeto Itália, as 20h. Ao comparecer na Assembleia, o associado exerce os princípios cooperativos, recebendo informação e, principalmente, auxiliando a decidir os rumos da cooperativa. 

“A participação do associado nas Assembleias é fundamental para transformar o seu município. Aqui na Sicredi Pampa Gaúcho todo o investimento do associado é revertido no desenvolvimento da economia local. Desta forma a rede de negócios é fortalecida, beneficiando a comunidade. Além disso, o associado também recebe a sua parte proporcional aos resultados do período”, explica José Antônio Menezes, presidente da Cooperativa.

 Valor “S”

Além do desempenho financeiro da agência de Santana do Livramento, outro destaque será a entrega dos recursos financeiros do Valor “S”. As entidades do município de Santana do Livramento, que tiveram seus projetos aprovados, receberão esses valores durante a assembleia. 

O Valor “S” é uma iniciativa da Sicredi Pampa Gaúcho, que veio para mudar a realidade da região. Nesse primeiro ano do Valor “S”, foram inscritos 241 projetos nas áreas de educação e cultura, segurança, saúde e empreendedorismo. “Uma instituição financeira cooperativa forte é capaz de promover mudanças na região onde atua. O grande impacto local é resultado do fluxo de recursos financeiros que giram nas nossas comunidades”, destaca o diretor Executivo da Cooperativa, Henrique Camargo de Assis. “A partir da relação de parceria, associado e cooperativa crescem juntos e, por consequência, a comunidade se desenvolve”, conclui. 

Fonte:

Gerente Agência – Iuri Pasquali – 99626.0535

 

Informações:

Assessora de Comunicação – Mônica Corrêa – 99928.4664

Mais de 20 mil empresas enquadradas na categoria geral com faturamento anual até R$ 3,6 milhões terão o prazo da obrigatoriedade para adoção da nova sistemática relacionada à apuração da complementação ou da restituição do débito de responsabilidade por substituição tributária do ICMS prorrogado para 1º de junho deste ano. Conforme a Secretaria da Fazenda, a medida não abrange os contribuintes com faturamento superior ao montante, que devem respeitar a nova regra desde 1º de março de 2019.

A alteração visa atender ao pedido de entidades empresariais e reduzir o número de pontos de discussão com os contribuintes substituídos, garantindo maior prazo para adequação dos respectivos sistemas e processos de trabalho. No caso dos contribuintes inscritos no Simples Nacional, ainda não há uma data definida para implementação das mudanças.

Entenda o caso

A possibilidade de restituição do ICMS-ST pago a maior e de complementação do ICMS-ST pago a menor é decorrência de recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), com efeito de repercussão geral (Recurso Extraordinário nº 593.849), no final de 2016.

Na época, os ministros decidiram que o contribuinte deve receber o ressarcimento, bastando a comprovação de que a Base de Cálculo presumida do imposto foi superior ao preço final efetivamente praticado – na substituição tributária, um contribuinte do segmento produtivo recolhe o imposto pelos demais a partir de um valor de mercadoria presumido.

A decisão, por analogia, também possibilitou que os estados tenham o direito de receber a diferença do ICMS pago a menor, ou seja, quando Base de Cálculo presumida do imposto foi inferior ao preço final efetivamente praticado. O montante já vem sendo cobrado ou está prestes a ser cobrado em diversas unidades da federação, como Minas Gerais, Paraná, Santa Catarina e São Paulo.

A possibilidade também foi reconhecida em decisão do Tribunal de Justiça do RS em fevereiro deste ano (Acórdão da 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça na Apelação Remessa Necessária 70000093492), que, baseado no princípio da isonomia, entendeu que o contribuinte não deve ser o único favorecido.

Texto: Ascom Sefaz
Edição: Marcelo Flach/Secom

Um dos mais tradicionais eventos do meio empresarial, voltado à discussão de ideias, tendências e ações ligadas ao desenvolvimento econômico do Rio Grande do Sul, o Tá na Mesa, promovido pela Federação de Entidades Empresariais do Rio Grande do Sul (Federasul), abriu a agenda de 2019 com o governador Eduardo Leite nesta quarta-feira (20). 

Com o tema “Agenda do diálogo para vencer a crise”, Leite apresentou o diagnóstico da situação do Executivo, fez um balanço dos primeiros meses de governo e anunciou medidas que deverão ser adotadas para incentivar o desenvolvimento do RS.

"Não quero resolver meus quatro anos de governo, quero resolver os problemas do Estado, mudar a estrutura. Por isso, precisamos olhar para as reformas estruturantes que, sim, vão mexer em pontos sensíveis e, por isso, a agenda do diálogo é tão importante. Somente ouvindo, dialogando e sendo permeáveis que vamos conseguir vencer as divergências e encontrar as soluções para a crise”, afirmou o governador à plateia que lotou o Salão Nobre do Palácio do Comércio, no Centro Histórico de Porto Alegre.

Foco de sua gestão nos primeiros meses de mandato, a agenda de diálogo, reforçou Leite, passou pelos deputados estaduais, os “grandes responsáveis por mudar a estrutura do Estado”, mas também por sindicatos, federações, líderes de todos os segmentos e com as mais variadas posições. “Nossa agenda não se centra em aspirações eleitorais, mas no legado que queremos deixar”, disse o governador na reunião-almoço.

 

Tá na Mesa IA 4
"Somente ouvindo, dialogando vamos vencer divergências e encontrar soluções", disse Leite na Federasul - Foto: Itamar Aguiar / Palácio Piratini

 

Nesse sentido, o governador apresentou algumas das medidas já tomadas, como a prorrogação das alíquotas do ICMS até 2020 e o lançamento do RS Seguro, um programa elaborado de forma transversal e estruturante que contempla as necessidades de diversas áreas do governo que impactam na segurança pública, como educação e saúde, e que tem a finalidade de oferecer à população um Estado mais seguro e civilizado para se viver e investir.

Lançamento do RS Parcerias

Além de comentar a expectativa sobre a votação do projeto que retira a exigência de plebiscito para a venda das estatais, já encaminhado à Assembleia e a sua posição de apoio à reforma da Previdência, que tramita em âmbito federal, o governador aproveitou a presença de lideranças empresariais e políticas para fazer o anúncio de duas medidas importantes.

A primeira é a divulgação, na próxima segunda-feira (25), do RS Parcerias, que prevê concessões e parcerias público-privadas (PPP) com a iniciativa privada. Serão apresentadas as primeiras propostas, que contemplam a concessão das rodovias RSC-287 e ERS-324, da rodoviária de Porto Alegre e do zoológico de Sapucaia do Sul. O programa foi baseado em estudo de viabilidade técnica iniciado pelo governo passado.

Além disso, Leite anunciou a prorrogação da obrigatoriedade para adoção da nova sistemática relacionada à apuração da complementação ou da restituição do débito de responsabilidade por substituição tributária do ICMS. O prazo passa ser 1º de junho deste ano. A medida contempla mais de 20 mil empresas enquadradas na categoria geral com faturamento anual abaixo de R$ 3,6 milhões. (Leia mais informações no texto abaixo.)

Os anúncios fazem parte do tripé considerado essencial pelo governador para promover o desenvolvimento econômico do Estado: reduzir os custos logísticos, a tributação e a burocracia.

Leite ainda apontou mais dois pontos fundamentais: a educação e a inovação. “Através da profissionalização da gestão da educação, que conseguiremos com a seleção para eleger os coordenadores regionais de Educação, e do desenvolvimento de políticas e parcerias para inovação, com a criação de uma Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia, acredito que conseguiremos deixar um legado para o futuro do RS”, afirmou o governador.

 Texto: Vanessa Kannenberg

Edição: Marcelo Flach/Secom

O Grêmio segue invicto na Europa. Na tarde desta quarta-feira, o Grupo de Transição gremista mpatou em 1 a 1 o amistoso diante dos espanhóis do Sevilla, na Ciudad Deportiva José Ramón Cisneros Palacios, em Sevilha. O gol gremista foi anotado por Jhonata Robert.

O primeiro tempo começou de forma equilibrada, com o time Sub-23 local tentando imprimir o ritmo na partida. Logo o Grêmio passou a reter mais a posse de bola e chegar com perigo. Depois de criar algumas oportunidades, o gol veio aos 32 minutos. Jhonata Robert cobrou o escanteio curto da esquerda para Patrick, que devolveu. Do bico da grande área Jhonata Robert cruzou rasteiro e contou com o corta luz do centroavante Da Silva. Assim a bola passou direto pro fundo das redes. 1 a 0!

No segundo tempo, o técnico do time local trocou quase todos os jogadores. Mais descansado, tentou pressionar e teve mais volume de jogo no início. Em uma forte chegada, o goleiro Vinicius Machado fez grande defesa para evitar o empate. Porém, aos 20 minutos, após infiltração pelo lado direito da área, a bola foi rolada para o avante livre na pequena área arrematar pro gol aberto.

A equipe do Sevilla estava abusando das jogadas desleais desde a etapa incial. Na etapa complementar as chegadas mais fortes continuaram e a arbitragem teve de terminar a partida faltando 10 minutos para encerrar o tempo regulamentar.

Agora a equipe descansa e volta a atuar na sexta-feira contra o Benfica, no CT do clube português, às 8h30, com transmissão ao vivo pela Grêmio TV.

Escalação: Vinicius Machado; Ericson (Felipe), Rodrigues (Ruan), Matias (Rodrigues) e Guilherme Guedes; Victor Bobsin (Frizzo), Lucas Araújo e Patrick (Guilherme Dantas); Jhonata Robert (Isaque), Léo Chú e Da Silva (Joanderson).

Técnico: Thiago Gomes.

*Confira abaixo a lista de amistosos

14/03 - 16h - Louletano/POR 0 x 2 Grêmio

18/03 - 8h - Bétis/ESP 2 x 3 Grêmio

20/03 - 13h30 - Sevilla/ESP 1 x 1 Grêmio

22/03 - 8h30 - Benfica/POR x Grêmio

24/03 - 6h - Vitória de Guimarães/POR x Grêmio

26/03 - 7h - Braga/POR x Grêmio 

* Horários de Brasília

Fotos: Rodrigo Fatturi/Grêmio.

É na colheita que verificamos se todas as operações que o produtor realizou durante o ciclo de desenvolvimento da soja, desde a escolha das sementes e a preparação do solo para o plantio, foram bem planejadas. Se todas as etapas foram tratadas adequadamente, aumentam muito as possibilidades de as colheitadeiras extraírem a máxima produtividade ao entrarem nas lavouras. O mesmo se espera da condição sanitária das plantas e dos grãos. “Quando pensamos em doenças, a ferrugem-asiática é a mais preocupante no final do ciclo da soja. Quando instalada, nessa fase ela já evoluiu, teve tempo de se multiplicar, por isso é muito importante o monitoramento constante da lavoura. É ainda uma fase difícil de se manejar a doença pois, com as entrelinhas fechadas, fica muito mais complicado levar um fungicida até os terços inferiores das plantas”, explica João Paulo Marinho, consultor de Marketing para Soja da BASF.

Os recursos que o produtor brasileiro desembolsa para controlar doenças, e principalmente a ferrugem, doença fúngica que é um dos principais problemas do sojicultor, está na casa dos bilhões de dólares, somando o investimento em fungicidas, equipamentos, mão de obra, e as perdas propriamente ditas causadas à lavoura. E a conta sempre pode ficar mais salgada se não forem tomadas as medidas necessárias em tempo hábil. Segundo Marinho, quem não conseguiu fazer um manejo eficiente das lavouras desde o princípio, certamente já contabiliza maiores perdas, pela queda na produtividade. “É de extrema importância que se realizem as aplicações de fungicidas de forma correta agora no final do ciclo para evitar ainda mais perdas”, diz o consultor. 

Há uma série de motivos que impedem o sojicultor de fazer o manejo com fungicidas no momento certo, como o excesso ou a falta de chuvas e até mesmo algum problema técnico com o maquinário. Daí a importância de ter um planejamento muito bem definido, pois ajuda a evitar ou amenizar esse tipo de situação. Mas nessa reta final, ninguém pode descuidar. “Todos os produtores devem fazer o monitoramento e decidir sobre fazer essas últimas aplicações, mesmo aqueles que capricharam desde o início e vêm protegendo suas lavouras, seguindo as recomendações de um manejo eficiente”, orienta Marinho. “Ou podem colocar em risco todo o trabalho feito até agora, como respeitar o intervalo de aplicações de fungicidas, utilizar a dosagem correta, fazer a rotação de modos de ação, cuidar a tecnologia de aplicação, entre outras medidas. ”

Para essa etapa que antecede a colheita, a BASF recomenda duas soluções que contribuem para reduzir e controlar o forte impacto da ferrugem. Uma delas é o fungicida Versatilis®, que impede o avanço da doença e contribui para que a lavoura tenha um melhor rendimento. Em avaliações técnicas realizadas a campo pela BASF, lavouras tratadas com o produto tiveram incremento médio de 2,5 sacas por hectare, na comparação com o tratamento padrão das fazendas. Por conta de seu ingrediente ativo fenpropimorfe, uma morfolina, o fungicida auxilia no manejo contra a resistência da ferrugem.  

Uma outra recomendação da BASF para o combate à ferrugem no período final da safra é o fungicida multissítio Status®, que atua no bloqueio de diferentes pontos e fases do desenvolvimento do fungo. Essa característica também auxilia bastante no manejo de resistência da doença. Os ganhos no manejo com Status® vêm ainda por conta da baixa dosagem e pela ótima cobertura foliar, mais duradoura, resultado de sua fórmula diferenciada. 

A ação conjunta de Versatilis® e Status® traz grandes benefícios para o agricultor, nestas que são as últimas aplicações do manejo eficiente contra a ferrugem na soja. Essa integração de produtos, associada à correta orientação técnica sobre o melhor manejo das lavouras, garante resultados superiores nessa fase, visto que se obtém uma associação perfeita de um produto sistêmico que age nas fases de crescimento do fungo e outro que protege as plantas quanto a penetração do fungo.

Por: AGROLINK COM INF. DE ASSESSORIA

Página 8 de 329
Topo