Gisnei

Gisnei

As inscrições para pessoas residentes no exterior, interessadas em fazer o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja Exterior), terminam nesta sexta-feira (5) às 23h59.

Acaba também hoje o prazo de solicitação para atendimento especializado. Podem pedir pessoas com: baixa visão, visão monocular, deficiência intelectual (mental), deficiência auditiva, surdez, autismo, déficit de atenção, discalculia e dislexia e/ou deficiência física.

As provas do Encceja Exterior serão aplicadas no dia 15 de setembro em 18 cidades, de 12 países.

Os candidatos que estiverem em busca do certificado do ensino fundamental devem ter, no mínimo, 15 anos de idade completos na data da prova. Já para o certificado do ensino médio, a idade mínima exigida é 18 anos.

Provas

O Encceja Exterior é composto por quatro provas objetivas, cada uma com 30 questões de múltipla escolha, e uma redação. A nota mínima exigida é de 100 pontos nas provas objetivas e de cinco pontos na redação.

Os resultados do Encceja podem ser usados de duas formas. O participante que conseguir a nota mínima exigida nas quatro provas objetivas e na redação tem direito à certificação de conclusão de ensino fundamental ou do ensino médio.

O participante que conseguir a nota mínima exigida em uma das quatro provas, ou em mais de uma, mas não em todas, tem direito à declaração parcial de proficiência.

Locais das provas

As provas serão aplicadas na Bélgica (Bruxelas); Espanha (Barcelona e Madri); nos Estados Unidos (Boston, Houston, Nova Iorque e Miami); na França (Paris); Guiana Francesa (Caiena); Holanda (Amsterdã); Itália (Roma); no Japão (Nagoia, Hamamatsu e Tóquio); em Portugal (Lisboa); no Reino Unido (Londres), na Suíça (Genebra) e no Suriname (Paramaribo).

Edição: Aécio Amado
 
Por Agência Brasil

O Rio Grande do Sul terá uma instrução normativa definindo o calendário da semeadura e o vazio sanitário da soja. A definição foi feita na tarde de quinta-feira (4/7) durante reunião da Câmara Setorial da Soja, na Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr).

Representantes de produtores, indústria, pesquisadores, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e do sistema financeiro discutiram os detalhes sobre a melhor época para o plantio, a data limite para a colheita e o período de vazio sanitário, no qual o plantio não é permitido para evitar a ferrugem asiática, principal doença que ataca a oleaginosa. No Brasil, estima-se que os prejuízos com essa doença cheguem a U$ 2,8 bilhões por safra.

A ferrugem asiática (ou ferrugem da soja) é causada por um fungo que impede a completa formação do grão, reduzindo a produtividade. Foi identificada pela primeira vez no Brasil em 2001, e a sua disseminação é feita pelo vento. A ferrugem ocorre em praticamente todas as regiões brasileiras, e uma das estratégias de manejo é o vazio sanitário.

“Avançamos bastante pois, além de conseguir fechar uma minuta de proposta da instrução normativa, vamos agendar reuniões com a Secretaria da Agricultura de Santa Catarina para tentar harmonizar os calendários”, afirma Paulo Lipp, coordenador das Câmaras Setoriais da Seapdr.

Essa instrução já está em vigor em quase todos os estados produtores de soja do país, inclusive no Paraná e em Santa Catarina.

Além desta normatização, a Câmara Setorial da Soja definiu que a coordenação passará a ser feita pelos produtores e por empresas cerealistas, com a assessoria técnica da Seapdr.

Nova reunião está agendada para 29 de agosto, durante a Expointer, às 9h. O encontro ocorrerá uma hora antes do fórum da Câmara Setorial Nacional da Soja, a ser realizada pelo Mapa às 10h, no Auditório da Administração do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio.

Dados da soja

No RS, a área plantada com soja em 2018/2019 foi de 5 milhões e 803 mil hectares. A colheita chegou a 18 milhões e 677 mil toneladas, um crescimento de 6,45% em relação à safra anterior. E a produtividade ficou em 3.218 kg/hectare, um aumento de 5,61% em relação ao ano anterior, segundo dados da Emater, conveniada da Seapdr.

Texto: Ascom Seapdr
Edição: Secom

Foto: Rodger Timm / Palácio Piratini

A Secretaria Municipal de Educação, através do Setor de Manutenção, tem realizado diversas reformas nas escolas do município. Sob coordenação da secretária adjunta da pasta, Viviane Simões Pires, atualmente o setor tem atuado na pintura interna das escolas. As escolas Professor Dias e Corujinha já tiveram suas pintura concluídas, oferecendo mais qualidade de infraestrutura aos alunos.

Ainda estão em andamento, as pinturas das Escolas Municipais Infantis Gente Pequena, Os Piás, Professora Ivonete Leguissaman e Dudu.

Foto: Assessoria de Comunicação Social || Fonte: Assessoria de Comunicação Social

A Suécia tinha mais tradição em Copas do Mundo femininas. Foi vice-campeã em 2003, na Copa dos Estados Unidos, e também conquistou medalha de prata nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016. Já a Holanda, que venceu a Eurocopa em 2017, fazia uma campanha mais robusta neste ano, tendo vencido todos os cinco jogos que disputou até chegar na semifinal. As suecas tinham perdido um jogo na fase de grupos.

Com a bola rolando, a Suécia começou melhor e desperdiçou uma grande chance logo aos 12 minutos. Jakobsson fez linda jogada, avançou pelo meio e rolou para Blackstenius. Ela bateu cruzado e a goleira Van Veenendal fez ótima defesa.

Aos 36 minutos, depois de uma cobrança de escanteio, a atacante Hurtig acertou um chute rasteiro e a goleira holandesa fez milagre, defendendo com o pé. A Suécia já merecia ter aberto o placar, mas encontrava uma verdadeira “parede” pela frente.

Ao fim do primeiro tempo, o público em Lyon ficou com a sensação de ter assistido a um verdadeiro jogo de xadrez, em que as equipes se estudavam mais do atacavam, tirando a emoção do jogo.

A definição para saber quem seria a adversária dos Estados Unidos, no domingo (7), poderia ter ficado para o segundo tempo. Mesmo precisando marcar um gol, a Holanda continuou sem iniciativa. A Suécia permaneceu melhor e, aos 10 minutos, a zagueira Fischer chutou rasteiro e a bola se chocou contra a trave de Van Veenendaal.

O melhor lance holandês ocorreu oito minutos depois. Escanteio para a área e a atacante Miedema cabeceou conscientemente e a bola se chocou contra o travessão. Depois disso, as duas equipes pouco fizeram. Continuaram de corpo mole, esperando o tempo regulamentar se esgotar. Pareciam querer fugir de chegar à decisão.

Na prorrogação, a qualidade da partida melhorou. Mesmo com o cansaço batendo, a holandesa Groenen arriscou de fora da área um chute rasteiro, a bola entrou no cantinho da goleira Lindahl. Finalmente, saiu um gol!

A Holanda se credenciava para a primeira final de sua história nos mundiais femininos, isso apenas em sua segunda participação na competição. O restante do tempo foi de pressão sueca atrás do gol de empate. Até o último minuto, as jogadoras lutaram, mas efetivamente levaram pouco perigo à meta de Van Veenendaal e ainda se expuseram a tomar alguns contra-ataques holandeses.

Domingo, ao meio-dia, em Lyon, Holanda e Estados Unidos fazem a grande final do Mundial Feminino. À Suécia, restou a disputa pelo terceiro lugar, no sábado (6), em Nice, contra a Inglaterra.


Ficha técnica:

Quarta-feira, 3 de julho de 2019

HOLANDA 1 x 0 SUÉCIA

Competição: Mundial Feminino (Semifinal)

Local: Lyon (França)

Juíza: Marie Soleil Beaudoin (Canadá)

Público: 48.452

Holanda: Van Veenendaal, Van Lunteren, Van Der Gragt, Bloodworth e Van Dongen; Groenen, Van De Donk e Spitse; Beerensteyn (Van De Sanden), Miedema e Martens (Roord). T: Sarina Wiegman.

Suécia: Lindahl, Glas, Fischer, Sembrant e Eriksson (Andersson); Rubensson (Zigiotti), Asllani e Seger; Jakobsson, Blackstenius (Larsson) e Hurtig (Janogy). T: Peter Gerhardsson.

Gol: No primeiro tempo da prorrogação: Groenen (9).

Edição: Denise Griesinger
 
Por Carlos Molinari – Repórter da TV Brasil 
 
 
REUTERS/Stephane Mahe/Direitos reservados

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados lançou hoje (3) o Plano de Proteção à Gestante e Lactante Trabalhadora. Um dos objetivos do projeto, que ganhará uma cartilha, é subsidiar parlamentares quanto à questão, para que possam elaborar leis que estejam em consonância com a defesa dos direitos das mulheres.

O procurador do trabalho Leonardo Osório Mendonça explicou que, para que fossem definidas as cerca de 20 metas do plano, diversas entidades que atuam com direitos trabalhistas e das mulheres foram consultadas ao longo de três audiências públicas. Na avaliação do procurador, a tendência é de que os benefícios trazidos pelo plano atinjam as famílias como um todo, pelo fato de o projeto se relacionar com a proteção à primeira infância.

Ele disse ainda que, além de instrumentalizar o Poder Legislativo, o plano tem a função de mobilizar a sociedade no combate ao machismo. "Esse plano tem vários alcances. Um deles é combater o machismo estrutural que existe na sociedade. Nós temos uma licença paternidade muito inferior a licença maternidade, porque, desde o início, já é colocado que a responsabilidade pelos cuidados do filho é da esposa. Homem toma conta do filho junto com a mulher, em parceria com a mulher", ponderou Mendonça, que chefia a Coordenadoria Nacional de Defesa do Meio Ambiente do Trabalho, do Ministério Público do Trabalho.

Outra proposta do plano é ampliar a divulgação dos direitos das lactantes e gestantes. Fazer a informação chegar a todas as trabalhadoras é uma das ações que mais importam, já que, como sublinhou a procuradora do trabalho Silvana da Silva, na prática, ainda há, muitas vezes, o descumprimento da lei. "A CLT [Consolidação das Leis do Trabalho] já prevê dispositivos quanto a espaços de aleitamento, mas isso ainda está pouco implantado. E a gente pretende que essas medidas sejam cada vez mais priorizadas, porque a mulher está vulnerável."

Maila Schilling esteve na audiência e, como representante da coordenação-geral de Saúde do Trabalhador do Ministério da Saúde, apresentou alguns números da pasta. De acordo com balanço do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), atualizado nessa segunda-feira (1º), foram registrados, desde o início do ano, 38.888 casos de acidentes de trabalhos em geral. Desse total, 96 envolveram gestantes. 

O levantamento traz também um dado sobre gestantes que são submetidas a atividades causadoras de lesões por esforços repetitivos (LER) e distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (Dort). Ao todo, de 2007 a 2019, 502 casos desse tipo foram oficialmente comunicados, constando do Sinan. Adicionados à parcela classificada como acidente de trabalho, o total de casos acometendo gestantes, no período, é de 2.736.

Os índices são considerados, por Maila, menores do que os reais. Em sua fala, a representante do Ministério da Saúde destacou que acredita que isso se deve a uma subnotificação das ocorrências.

Edição: Narjara Carvalho
 
Por Letycia Bond - Repórter da Agência Brasil
 
 
 

A partir da assinatura de dois decretos nesta quarta-feira (3/7) pelo governador Eduardo Leite, o Rio Grande do Sul deverá ter, pelo menos, o dobro do número de rotas de voos comerciais regionais. As medidas alteram o Programa Estadual de Desenvolvimento da Aviação Regional (PDAR-RS). Uma flexibiliza as formas de operação pelas companhias aéreas e a outra reduz a alíquota sobre o combustível das aeronaves.

O incentivo à aviação regional, encurtando as distâncias do interior gaúcho com a capital e outros Estados, faz parte da agenda de desenvolvimento proposta pelo governo. “Abreviar o tempo de deslocamento daqueles que querem empreender é fundamental para a atratividade de investidores e para manter aqui aqueles que têm negócios”, destacou Leite. “Isso demonstra que o governo não está focado apenas no ajuste fiscal, até porque está conectado à agenda de desenvolvimento econômico”, acrescentou.

Presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Aviação Civil Regional na Assembleia, o deputado Frederico Antunes agradeceu ao governo por viabilizar as novas medidas. “O transporte aéreo deixou de ser algo de elite e, hoje, é uma necessidade pública, por isso, precisa, sim, de políticas públicas de forma a harmonizar o desenvolvimento em todo o território e estancar o êxodo das pessoas dos locais que não têm acesso rápido e seguro”, destacou Antunes.

Criado em 2015, o PDAR-RS resultou em seis rotas:

- Porto Alegre–Uruguaiana 
- Porto Alegre–Santo Ângelo 
- Porto Alegre–Santa Maria 
- Porto Alegre–Pelotas 
- Campinas (SP)–Passo Fundo 
- Campinas (SP)–Caxias do Sul

Governador assina medidas que vão ampliar oferta de rotas de voos comerciais no RS
Deputados e representantes de cidades com potencial de receber voos acompanharam a assinatura - Foto: Gustavo Mansur/ Palácio Piratini

A partir de um dos decretos assinado nesta quarta-feira, as companhias aéreas que aderirem ao programa poderão exercer as atividades por meio de contratos comerciais com terceiros. A autorização só será concedida a quem mantiver voos regulares em, pelo menos, quatro aeroportos.

De início, essa mudança na legislação já viabilizará seis novas rotas, todas entre a capital gaúcha e as cidades de Passo Fundo, Rio Grande, Bagé, Santa Rosa, São Borja e Santana do Livramento. “É um avanço no nosso objetivo de aproximar cada vez mais a população de um aeroporto com voos para Porto Alegre e para fora do Estado”, afirmou o secretário de Logística e Transportes, Juvir Costella.

O outro decreto prevê um benefício com a redução de base de cálculo na aquisição de querosene de aviação no Rio Grande do Sul. O novo texto possibilita que a alíquota do combustível possa cair a até 2%, levando em consideração cálculos que medem a quantidade de rotas ofertadas, a disponibilidade de assentos e a frequência de voos.

Esse benefício já foi autorizado pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) e vem sendo adotado por vários Estados para o desenvolvimento regional.

Conforme a Secretaria da Fazenda, o consumo de querosene no RS, nas operações incentivadas desde 2013, subiu 118% nos últimos seis anos, ajudando a fomentar uma atividade pouco explorada no Estado.

A partir da validade do decreto e com a adoção de medida similar a outras unidades da Federação, o Rio Grande do Sul torna-se ainda mais atrativo para as empresas do setor e para os setores envolvidos com os serviços de aviação.

“Estamos ampliando as possibilidades de benefício, dentro dos parâmetros do Confaz, com regras que entram em pleno vigor a partir de janeiro de 2020 e que terão previsão de quantidades mínimas e máximas de querosene abastecido no Estado”, disse o secretário da Fazenda, Marco Aurelio Cardoso.

O secretário também esclareceu que futuras adesões de empresas serão formalizadas em instruções normativas específicas para a oferta de novas rotas que liguem os grandes centros a diferentes destinos do RS.

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 03/072019 - Assinatura de decretos da aviação regional. Fotos: Gustavo Mansur/ Palácio Piratini
Uma medida flexibiliza as formas de operação pelas companhias aéreas e outra reduz a alíquota sobre o combustível - Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini

Voos comerciais no RS

Atualmente, a Azul Linhas Aéreas integra o PDAR-RS, operando seis rotas regionais, com aeronaves de, pelo menos, 70 lugares. As rotas em operação são as seguintes:

- Porto Alegre–Santa Maria 
- Porto Alegre–Uruguaiana 
- Porto Alegre–Pelotas 
- Porto Alegre–Santo Ângelo 
- Caxias do Sul–Campinas (SP) (120 lugares)
- Passo Fundo–Campinas (SP) (120 lugares)

COMO SERÁ

Com as duas principais alterações no PDAR-RS (menor alíquota sobre o combustível de aeronaves e possibilidade de terceirizar a operação dos voos), a Gol Linhas Aéreas deverá oferecer seis novos voos regionais, com capacidade para nove passageiros cada, contratando a Two Flex para a operação dos voos.

As novas rotas, em fase de conclusão devem ser as seguintes:

- Porto Alegre–Rio Grande 
- Porto Alegre–Bagé 
- Porto Alegre–Santana do Livramento 
- Porto Alegre–São Borja 
- Porto Alegre–Santa Rosa 
- Porto Alegre–Passo Fundo

Com a alíquota de ICMS menor, a Azul, que já está em atividade no PDAR-RS, pretende ampliar a atuação, operando as seguintes rotas:

- Porto Alegre–Bagé 
- Porto Alegre–Santana do Livramento

Outras companhias que tiverem interesse e atenderem os requisitos exigidos pela legislação também podem protocolar pedidos para operar no RS.

Texto: Vanessa Kannenberg

Edição: Marcelo Flach/Secom

Para quem estava reclamando que o inverno estava com ares de veranico a estação mais fria do ano finalmente deu as caras no Rio Grande do Sul. No último sábado (29/06) as máximas ficaram próximas dos 30 graus no Estado, mas uma frente fria derrubou as temperaturas. Nesta semana as mínimas estão abaixo dos 0ºC e foram registradas geadas em várias regiões Nesta quinta-feira (04/07) uma bolha de ar extremamente frio, vinda da região polar, deve acentuar ainda mais o declínio das temperaturas, com registros abaixo dos 10ºC em todas as regiões do Rio Grande do Sul. 

A meteorologista da MetSul Meteorologia, Estael Sias, ressalta que a massa de ar polar chegou hoje (02/07), com mínima de quatro graus negativos em Pinheiro Machado, no Sul. Esse ar polar enfraquece ao longo da semana, mas uma segunda massa de ar polar que já está na Argentina e avança na próxima quinta-feira sobre o Rio Grande do Sul. Tem um sistema de baixa pressão no mar que na sexta-feira pode causar neve nas regiões mais altas. Esse ar polar avança pelo Brasil até o Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais e Espírito Santo, com destaque para a geada que pode afetar a Serra da Mantiqueira. Nos três estados do Sul geada significativa, podendo atingir Sudeste e Centro-Oeste do país.

“Agro precisa de frio”, destaca meteorologista

A principal característica deste inverno é que deve ter chuva acima da média e altos e baixos nas temperaturas. Frio extremo na primeira semana de julho, mas no geral deve ser equilibrado, até com pontos de calor. “Esse contraste de temperaturas é o que forma os fenômenos naturais como tempestades e ciclones. Na segunda metade do inverno, entre agosto e setembro, podemos esperar granizo com mais frequência”, destaca Estael. 

Para a agricultura, justamente por não ser um inverno rigoroso, há riscos de geadas tardias e até neve em setembro. “A questão da geada sempre preocupa setores como o de hortifrúti mas o frio é muito importante para a fruticultura, que precisa ter horas de dormência e temperaturas baixas. As oscilações térmicas podem afetar inclusive o trigo que precisa de frio para se desenvolver bem e ter produtividade. Os veranicos podem impactar negativamente”, explica a meteorologista.

Na história do clima gaúcho muitos invernos não chegaram a ser rigorosos mas tiveram uma ou duas ondas fortes de frio, até com neve, como o registrado em agosto de 1965. 

Fim de semana gelado

Na sexta-feira, sábado e domingo todo o Estado deve registrar mínimas próximas de 0°C e não está descartada a possibilidade de neve na Serra. Veja as projeções de acordo com a Somar Meteorologia no mapa:

Arte: Marcel Oliveira/Portal Agrolink

Fronteira Oeste – tempo seco e ensolarado e no sábado espera-se 1ºC, com geada. No domingo ventos de 50km/h. As máximas não devem passar de 15ºC, em Uruguaiana.
Campanha – no sábado deve fazer 0ºC, com geada. Tempo seco e ensolarado com máximas de 13°C, em Bagé.
Central – tempo seco e ensolarado e também deve fazer 0ºC. Em Santa Maria máxima de 16°C.
Sul – tempo seco e ensolarado, com ventos de até 60km/h. Mínima de 4ºC na região. Máxima de 15º em Pelotas.
Litoral – tempo seco, com algumas nuvens e ventos de até 40 km/h. Mínimas em torno de 4ºC e máxima de 19°C em Capão da Canoa.
Norte – tempo aberto, com possibilidade de neve na sexta-feira e geada nos demais dias. Mínimas negativas e máxima não ultrapassando os 14°C em Passo Fundo.
Capital – podem ocorrer pancadas de chuva na sexta-feira e geada nos demais dias. Mínima de 3°C e máxima de 14°C.

Alerta 

A Defesa Civil do Rio Grande do Sul emitiu um alerta para o frio extremo durante toda esta semana e final de semana, com orientação para cuidados redobrados com a população mais vulnerável como enfermos, idosos e crianças. O alerta pede ainda que as pessoas abriguem seus animais de estimação. O órgão, no entanto, desconhece um alerta que circula em grupos e redes sociais alertando a população para o maior frio dos últimos 50 anos, com temperaturas de 19 graus negativos.

Veja algumas imagens da geada enviadas por nossos usuários.

Foto: Zélia Studzinski/Dom Feliciano (RS) - canteiros de tabaco cobertos de geada

Foto: Lucas Karlinski/São Domingos do Sul (RS) - campo coberto de geada

Foto: Eduardo Macedo/Encruzilhada do Sul (RS) - amanhecer gelado no cercado dos animais

Foto: Mikael Costa/Cerro Grande do Sul (RS) - termômetro ao amanhecer

Foto: Roberto Sagebin/Canela(RS) - geada na Catedral de Pedra

Por: AGROLINK -Eliza Maliszewski

O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos divulgou, hoje (1º), uma cartilha que instrui gestores sobre o Fundo do Idoso, para servir de aporte na execução de políticas públicas. Para que a unidade de captação de recurso seja oficialmente instituída, é necessária a aprovação de uma lei, com posterior sanção do chefe do Poder Executivo, explica a cartilha.

Segundo as regras para a instituição do fundo, no caso do âmbito municipal, o prefeito é quem fica responsável por estabelecer as normas de funcionamento e os termos devem ser publicados em decreto. Já a destinação das verbas é definida por um Conselho Municipal dos Direitos do Idoso, que precisa estar ativo.

A cartilha também esclarece de que forma os recursos do fundo podem ser arrecadados. Uma das possibilidades são as dotações de diferentes esferas do governo. Os valores também podem advir de multas que recaiam, com base na Lei nº 10.741/2003, sobre instituições de atendimento que violem direitos de idosos. Um profissional de saúde ou de instituição de longa permanência, como asilos e clínicas geriátricas, deixar de comunicar crimes contra idosos que tenha testemunhado, por exemplo, pode ter de pagar uma multa que varia de R$ 500 a R$ 3 mil.

A partir do ano que vem, uma outra fonte se torna viável para os fundos de idosos, a doação de pessoas físicas, que deverá ser informada em declaração do Imposto de Renda, à Receita Federal. A medida, que beneficia tanto os fundos municipais como os estaduais e o nacional, está prevista na Lei nº 13.797/2019, publicada em janeiro.

Para que os fundos possam receber as doações, é requerida dos conselhos administradores a efetuação de cadastro em sistema do governo federal. Há, ainda, outras exigências, como a criação de uma conta em instituição financeira pública e registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ).

A cartilha esclarece que as informações cadastrais dos fundos irão compor o banco de dados do Cadastro Nacional dos Fundos do Idoso, que será gerenciado pelo Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa Idosa (CNDI).

Edição: Fernando Fraga
 
Por Agência Brasil
 
 
Marcelo Camargo/Agência Brasil

A seleção brasileira faz esta tarde o último treino antes de enfrentar a Argentina amanhã (2), às 21h30, no Estádio Mineirão, em Belo Horizonte. O técnico Tite marcou as atividades de hoje (1º) para as 16h, na Cidade do Galo, o Centro de Treinamento do Clube Atlético Mineiro. A partida contra os argentinos vale uma vaga na final da Copa América.

O treino desta segunda-feira é importante para Tite definir a equipe que jogará a semifinal da competição. A volta do volante Casemiro ao time é praticamente certa. O jogador esteve ausente da partida contra o Paraguai, cumprindo suspensão por ter recebido o segundo cartão amarelo. Uma das funções de Casemiro em campo será a de marcar o atacante Messi. O jogador do Real Madrid conhece bem o craque argentino, dos jogos contra o Barcelona no campeonato espanhol.

Já Filipe Luís, que saiu do jogo contra o Paraguai sentindo dores na coxa direita, ainda se recupera. O lateral esquerdo trabalhou com bola no treino desse domingo (30), na Cidade do Galo, acompanhado pelo fisioterapeuta Caio Melo e pelo preparador físico Fábio Mahseredjian.

Felipe Luís vem sendo acompanhado pela fisioterapeuta Caio Melo e pelo preparador físico Fábio Mahseredjian
Felipe Luís vem sendo acompanhado pela fisioterapeuta Caio Melo e pelo preparador físico Fábio Mahseredjian - Lucas Figueiredo - CBF

Filipe Luís fez uma série de atividades que simulavam situações de jogo com objetivo de avaliar o estado físico do atleta na área afetada pela lesão. De acordo com informações divulgadas no site da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o lateral esquerdo apresentou excelentes respostas em relação ao trabalho proposto. “Ele avançou no processo para estar à disposição do técnico Tite no jogo decisivo contra a Argentina”.

O volante Fernandinho, que se recupera de um entorse no joelho direito sofrido no jogo contra a Venezuela, esteve em campo na Cidade do Galo. Ele trabalhou com o preparador físico Ricardo Rosa e segue em processo de recuperação.

Gabriel Jesus

O artilheiro da seleção na era Tite, com 16 gols, Gabriel ainda não marcou seu gol na Copa América. Mas foi importante na cobrança do pênalti que classificou o Brasil para as semifinais, na disputa contra o Paraguai, após o empate sem gols, nos mais de 90 minutos da partida. O jogador é um dos mais que se empenham nos treinos. Ele sabe que só assim poderá ser mais efetivo nos jogos.

Gabriel começou a Copa América na reserva e foi ganhando uma vaga no time titular
Gabriel começou a Copa América na reserva e foi ganhando uma vaga no time titular - Lucas Figueiredo - CBF

Nesta terça-feira contra a Argentina, Gabriel terá pela frente o seu companheiro no clube inglês Manchester City, o atacante Sérgio Aguero. “Hoje eu busco finalizar mais e venho treinando muito no meu clube e aqui na seleção brasileira. Foco muito para melhorar a minha finalização. Vejo lá meu clube mesmo, o próprio Aguero, que finaliza muito ao gol”, disse.

Gabriel começou a Copa América na reserva e foi ganhando uma vaga no time titular jogando pelos lados do campo de ataque, numa forma de jogar bem diferente do seu melhor momento na seleção, durante as eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018, na Rússia, quando ficava mais centralizado.

 

*Com informações da CBF

Edição: Aécio Amado
Por Agência Brasil*

Iniciam-se os preparativos no Parque Estadual de Exposições Assis Brasil para a 42ª Expointer, que ocorre de 24 de agosto a 1° de setembro. Desde esta segunda-feira (1º/7), o local não recebe mais nenhum evento externo.

De acordo com o subsecretário do parque, José Arthur Martins, a medida é necessária para que ocorra a montagem de estandes e sejam feitos ajustes nas áreas de exposição.

“A Expointer demanda um enorme esforço logístico. Por isso, a partir de agora, haverá uma grande movimentação de pessoas e veículos dentro do parque, trabalhando nos preparativos estruturais”, acrescenta.

O parque Assis Brasil tem 141 hectares e recebe, durante o ano, dezenas de eventos, como leilões de animais, provas dos cavalos árabe e manga-larga, mostra de carros, encontros religiosos e cursos de formação.

A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural é promotora de dois eventos no parque: a Fenasul, em maio, e a Expointer.

Texto: Ascom Seapdr
Edição: Secom

Foto: Bruno Ibaldo / Arte Secom

Página 4 de 350
Topo