Gisnei

Gisnei

Em nova demonstração de solidariedade com quem vive momentos de dificuldade em função da quarentena para contenção da pandemia do Coronavírus, o Tricolor lança nesta quarta-feira, 15, o Grêmio em Ação, projeto de captação e doação de alimentos não-perecíveis, materiais básicos de higiene e saúde às comunidades carentes dos bairros Humaitá, Farrapos e Navegantes. A iniciativa, operacionalizada pelo Departamento de Responsabilidade Social, tem como objetivo centralizar o atendimento às famílias que vivem em situação de vulnerabilidade numa das áreas mais necessitadas de Porto Alegre, cujo sustento depende de atividades informais, paralisadas durante o período de isolamento social.

 A dinâmica da ferramenta consiste em mapear as necessidades mais urgentes e disponibilizar contribuições entre R$5,00 a R$50,00. A verba arrecadada será destinada a entidades assistenciais que atendem a região, para aquisição de itens de primeira necessidade.

Os repasses serão semanais, respeitando o fluxo de recebimento conforme a forma de contribuição escolhida.  Os pagamentos podem ser realizados com cartão de débito, crédito ou boleto bancário. No próprio link será apresentado o saldo das doações e relatórios quinzenais com os valores recebidos. 

A plataforma de contribuição e doação Grêmio em Ação é desenvolvida pela 4all, parceiro tecnológico do Clube.

Acesse clicando aqui.

Fonte: https://gremio.net/

A primeira etapa da pesquisa por amostragem para projetar o percentual da população do Rio Grande do Sul infectada pelo novo coronavírus estima que 5.650 pessoas já estejam contaminados pela Covid-19. As projeções levam em conta o resultado de 4.189 testes aplicados em nove cidades de diferentes regiões e apontam para uma relação de um caso para cada grupo de 2 mil habitantes.

O estudo inédito encomendado pelo governo do Estado e coordenado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) terá outras três fases com o objetivo de identificar a prevalência da Covid-19 e projetar incidência de casos mais graves e até o grau de letalidade da doença.

Os resultados dessa primeira rodada foram apresentados nesta quarta-feira (15/4), durante entrevista coletiva de imprensa do governador Eduardo Leite, realizada no Palácio Piratini. Dos testes aplicados entre sábado (11/4) e segunda-feira (13/4), dois casos deram positivo para a Covid-19, o que representa 0,05%.

As nove cidades onde foram realizadas as coletas, incluindo Porto Alegre, representam 31% da população gaúcha (11,3 milhões de habitantes). O estudo reflete uma realidade do avanço da doença de duas semanas atrás.

A pesquisa mostra também que, para cada diagnóstico do coronavírus nesses municípios, existem outros quatro casos não notificados. Na virada do mês, o RS tinha 389 casos confirmados (em 1°/4). Pelo último boletim, o Estado já registra 747 pessoas com a doença, com 19 óbitos (dados da Secretaria da Saúde até 14h desta quarta, dia 15/4).

“Mesmo sendo números preliminares de uma primeira etapa de pesquisa, os resultados demonstram claramente que as medidas de isolamento social estão sendo fundamentais em conter o ritmo do avanço”, destacou Leite.

PORTO ALEGRE, RS, BRASIL, 15/04/2020 - O governador Eduardo Leite anunciou, nesta quarta-feira (15/4), em coletiva de imprensa no Palácio Piratini, os resultados da pesquisa para detecção da Covid-19 e as novas medidas de enfrentamento no RS. Fotos: Gusta
Em razão de orientação para manter o distanciamento social, houve número limitado de presentes na entrevista no Piratini - Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini

O governador aguardava as estimativas da pesquisa para, ao lado de outros indicadores, avaliar eventuais alterações nas determinações que restringem a movimentação de pessoas nas ruas. “Não queremos perder ninguém, não interessa a idade. Não podemos admitir perder qualquer vida”, afirmou.

Responsável por coordenar o trabalho da epidemiologia do Covid-19, o reitor da UFPel, Pedro Curi Hallal, fez a divulgação dos resultados da pesquisa. Ele estabeleceu um comparativo sobre o comportamento da pandemia em outros países e a situação do RS retratada no estudo. “A pesquisa ainda se baseia numa amostragem pequena, o que exige maior cuidado com interpretações sobre as estimativas. Nas próximas rodadas teremos um cenário mais claro”, ponderou na apresentação.

Para Hallal, até agora, as políticas públicas adotadas se baseiam apenas na ponta do iceberg. “Os casos que chegam ao sistema de saúde, que acabam sendo testados, especialmente as pessoas com sintomas mais graves, escondem todo o restante do iceberg que está submerso e que é tão necessário para enfrentarmos a epidemia de forma adequada”, destacou.

O estudo vem mobilizando um grupo de especialistas de outras universidades federais e privadas do RS. A ideia surgiu nas discussões do Comitê de Análise de Dados sobre a pandemia, instituído há poucos dias pelo governador, e que tem no comando a secretária de Planejamento, Orçamento e Gestão, Leany Lemos.

“É importante reunirmos o maior volume de informações para que o governo defina suas ações com base em evidências científicas. Já vínhamos trabalhando com outros cenários estatísticos, mas estamos aprimorando o trabalho para melhor orientar a população”, acrescentou Leany Lemos. “Tomaremos decisões baseadas na ciência, não em suposições ou especulações. A partir desse estudo, poderemos alimentar projeções corretamente, e acompanharemos a evolução da epidemia, por meio da pesquisa, ao longo de dois meses.”

Pesquisa de campo

O Ministério da Saúde enviou 20 mil kits para viabilizar a aplicação dos testes e já programa replicar o mesmo estudo no restante do país. Seguindo critérios do IBGE sobre o perfil populacional, nessa primeira rodada foram testadas 500 pessoas em cada uma das seguintes cidades: Pelotas, Uruguaiana, Ijuí, Caxias do Sul, Passo Fundo e Santa Cruz do Sul. Em Canoas foram 332 testes, Porto Alegre teve 396 coletas e Santa Maria atingiu 461 pesquisados. A próxima etapa está prevista para ocorrer entre os dias 25 e 27 deste mês.

A pesquisa mobiliza uma rede de 11 universidades federais e privadas: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (Unijuí), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Universidade Federal do Pampa (Unipampa/Uruguaiana) e Universidade de Caxias do Sul (UCS), Imed Passo Fundo, Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS/Passo Fundo) e Universidade de Passo Fundo (UPF). O estudo tem um custo estimado em R$ 1 milhão e tem o apoio da Unimed Porto Alegre, do Instituto Cultural Floresta, também da capital gaúcha, e do Instituto Serrapilheira, do Rio de Janeiro.

Números da pesquisa:

• Para cada 1 milhão de habitantes no RS, estima-se que existam 500 infectados reais, 65 notificados e 1,2 óbito.

• Para cada caso notificado nas nove cidades da pesquisa, existem cerca de quatro casos não notificados.

• No dia 1° de abril, o RS tinha 384 casos confirmados. O resultado da pesquisa demonstra que o contágio é 15 vezes o número de casos confirmados ou 11 vezes o número de casos coletados.

Clique aqui e confira a apresentação sobre o estudo de prevalência da Covid-19 no RS.

Texto: Suzy Scarton e Pepo Kerschner/Ascom Seplag
Edição Marcelo Flach/Secom

Foto: Gustavo Mansur / Palácio Piratini

A segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza (A-H1N1, A-H3N2 e Influenza B), começa na quinta-feira (16). Esta nova fase é destinada a doentes crônicos, pessoas privadas de liberdade, funcionários do sistema prisional, forças de segurança e salvamento, caminhoneiros/motoristas de transporte coletivo e portuários. A identificação dos profissionais de segurança fica a cargo da organização de cada município durante a campanha.

Nos municípios do Rio Grande do Sul esta nova fase começa com a aplicação de 90% das 272 mil doses de vacinas recebidas do Ministério da Saúde no quinto lote deste ano. A próxima remessa será de 284 mil doses de vacinas sendo encaminhadas às 19 Coordenadorias Regionais (CRSs) a partir de sexta-feira, dia 17 de abril.

A última e terceira etapa, começa no dia 9 de maio. Os grupos prioritários serão crianças de seis meses a menores de seis anos, gestantes, puérperas (até 45 dias após o parto), povos indígenas, adultos de 55 a 59 anos de idade e pessoas com deficiência e professores.


Balanço da primeira etapa

Um balanço sobre a primeira fase da Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza no estado foi feito pelo governador Eduardo Leite, em transmissão pela internet, nesta terça-feira (14). O governador informou que na primeira fase da campanha, 86% do grupo dos idosos já foi imunizado, o equivalente a 1,2 milhão de pessoas. Ele também disse que 84% da população estimada de profissionais de saúde, cerca de 260 mil pessoas receberam a vacina. No total, até hoje, 14 de abril, aproximadamente 1,5 milhão de doses já foram aplicadas no RS.

A campanha começou em 23 de março. Idosos que não puderam comparecer nos postos de vacinação na primeira fase ainda podem procurar a vacina nos postos de suas cidades.

A secretária da Saúde, Arita Bergmann, avaliou como positiva a grande procura dos idosos pela vacinação. Ela também aprovou o comportamento da maioria das pessoas, cuidando o distanciamento e demais atitudes da etiqueta de defesa ao contágio do coronavírus.

 

Assessoria de Comunicação Social - SES/RS

Nos próximos dias, hospitais, centros de saúde e triagem de 12 cidades do Sudeste e Sul do Brasil serão beneficiados com a doação de máscaras, luvas, toucas, aventais, entre outros itens, pela Multilog, um dos maiores operadores logísticos do país. “Apesar do distanciamento social imposto a todos nós, entendemos que é tempo de solidariedade e união. Com essa missão, queremos contribuir ainda mais com os municípios que nos acolheram tão bem durante nossa trajetória”, afirma Djalma Vilela, Presidente da Multilog. Considerado serviço essencial, o player se mantém atuante na oferta de mercadorias e mantimentos para clientes que atendem os setores da saúde e alimentação.

            A doação será distribuída de acordo com a necessidade dos centros de saúde dos municípios listados. A destinação se dará através das prefeituras e comitês de crise formados pelas cidades para garantir que a oferta seja assertiva.

            Para dar sequência à oferta dos serviços essenciais diante da situação atual, a Multilog adotou uma série de medidas em prol da saúde e segurança de seus colaboradores, parceiros e clientes. “Queremos garantir o bem-estar e reforçar nosso respeito a todos os profissionais que seguem atuantes neste momento e no combate à situação mundial. A estes, fica nossa imensa admiração”, acrescenta Vilela. 

O que será doado: máscaras, toucas descartáveis, aventais impermeáveis, luvas, água oxigenada, capas impermeáveis para colchão, materiais para higienização e cestas básicas. 

Cidades que serão beneficiadas: 

Estado de São Paulo: Barueri, Campinas, Santos e São Paulo;

Estado do Paraná: Curitiba, Foz do Iguaçu e São José dos Pinhais;

Estado de Santa Catarina: Itajaí e Joinville;

Estado do Rio Grande do Sul: Jaguarão, Santana do Livramento e Uruguaiana. 

Informações para a imprensa – Oficina das Palavras:

Martha Kienast – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. – +55 (47) 3346-3254 e 9 9994-1265.

Ricardo Ruas – Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. – +55 (47) 3346-3797 e 9 9995-1846. 

MULTILOG

Matriz: Rod. Dep. Antônio Heil, 4999, Itajaí (SC)

Unidades: Campinas, Barueri, Santos e São Paulo (SP), Curitiba, Foz do Iguaçu, São José dos Pinhais (PR), Joinville (SC), Uruguaiana, Santana do Livramento e Jaguarão (RS).

Visualização da imagem

O Sicredi está ao lado de seus associados, colaboradores e das comunidades no enfrentamento da pandemia do coronavírus (COVID-19). Nossas ações refletem nossos valores.

Estamos fazendo nossa parte para evitar a propagação da doença e orientamos que todos sigam os cuidados recomendados pelo Ministério da Saúde.

Como Sistema Cooperativo, o Sicredi atende às necessidades de seus associados, contribuindo para manter a atividade econômica. Por isso, estamos adotando alternativas para contribuir para a redução do contágio e que, ao mesmo tempo, auxiliam para o cumprimento da nossa missão:

· estamos à disposição dos nossos associados para analisar as melhores soluções financeiras nesse período de redução da atividade econômica. Serão analisados caso a caso, visando encontrar a melhor alternativa para cada associado;

· mantemos nossas linhas de crédito ativas com o objetivo de dar suporte aos associados e à manutenção da atividade econômica;
nossos meios eletrônicos de atendimento (caixas automáticos, internet banking, aplicativo) são completos e permitem a realização da maior parte das operações sem a necessidade de ida às agências, reduzindo a exposição. Recomendamos que os associados façam uso desses canais;

· agora, a nossa cooperativa possui atendimento via WhatsApp. Você pode entrar em contato conosco para sanar dúvidas sem sair de casa. Para acessar é simples, basta salvar este número (51) 3358 4770 na sua agenda telefônica e nos chamar.

· FIQUE ATENTO! golpistas estão aproveitando o momento de isolamento social (Covid-19) para aplicar golpes. Para garantir sua segurança, lembre-se que nunca entraremos em contato para pedir os seus dados financeiros, liberar acesso aos nossos canais de atendimento online ou solicitar a atualização deles. Caso isso aconteça, não compartilhe suas informações.

Queremos fazer a diferença neste momento de desafio e contribuir com a recuperação do país o mais rápido possível.

Contem com a gente!

Por: Émilly Pons


Inicia nesta segunda-feira (13), o projeto “Capacitação no Ensino a Distância em tempos de Pandemia”. Organizado pela Secretaria Municipal de Educação, o projeto é destinado às equipes diretivas das escolas municipais de educação infantil e ensino fundamental - urbanas e rurais.
 
Com as aulas suspensas há quase um mês em função da pandemia de coronavírus, o projeto é uma importante alternativa de capacitação aos profissionais da rede municipal de ensino, que poderão acessar todo o material de suas casas. 
 
Nesta primeira semana de curso, os educadores abordarão o tema “Saúde emocional do educador e comunidades escolares”. A capacitação segue até o dia 10, contemplando um tema por semana. 
 
Com toda dificuldade que o momento exige, o Governo Para Tod@s tem buscado alternativas para atender todos os setores, oferecendo atividades que contemplem as necessidades, mesmo com o imprescindível isolamento social. #FicaEmCasa #VaiFicarTudoBem
 
Foto: Assessoria de Comunicação Social || Fonte: Assessoria de Comunicação Social

A Petrobras anunciou, nesta terça-feira (14), uma nova redução nos preços médios dos combustíveis vendidos nas refinarias. A gasolina ficará 8% mais barata e o diesel terá queda de 6%. No acumulado do ano, o preço da gasolina já caiu 48,2% e o do diesel (tipos S10 e S500) caiu 35,4%.

Os preços valem a partir desta quarta-feira (15) e são referentes ao valor vendido pelas refinarias para as distribuidoras. O valor final ao motorista dependerá do mercado, já que cada posto tem sua própria política de preços, sobre os quais incidem impostos, custos operacionais e de mão de obra.

Segundo levantamento da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o preço médio para a gasolina nos postos do país, entre 29 de março e 4 de abril, era de R$ 4,298. O valor do diesel, era de R$ 3,437. O do etanol, de R$ 3,039.

“Nossa política de preços para a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras tem como base o preço de paridade de importação, formado pelas cotações internacionais destes produtos mais os custos que importadores teriam, como transporte e taxas portuárias, por exemplo. A paridade é necessária porque o mercado brasileiro de combustíveis é aberto à livre concorrência, dando às distribuidoras a alternativa de importar os produtos”, explica, em nota, a Petrobras.

Tipo de combustível

Segundo a companhia, a gasolina e o diesel vendidos às distribuidoras são diferentes dos produtos no posto de combustíveis. São os combustíveis tipo A: gasolina antes da sua combinação com o etanol e diesel sem adição de biodiesel. “Os produtos vendidos nas bombas ao consumidor final são formados a partir do tipo A misturados a biocombustíveis.

Edição: Aline Leal

Por Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

A tecnologia vai permitir que seja feita de forma online a emissão de receitas e atestados médicos. A medida foi bem recebida pela Sociedade Brasileira de Dermatologia – Secção RS (SBD-RS), que vê na medida um aliado importante nos esforços de conter a propagação da covid-19.

“Todas as ações que forem construídas no sentido de auxiliar a população para que ela consiga evitar a circulação, são importantes. O momento é de concentrarmos todos os esforços para que a pandemia seja superada o mais breve possível”, afirma a presidente da SBD-RS, Taciana Dal´Forno Dini.

O Rio Grande do Sul foi pioneiro nesse tipo de ação. Somente nos primeiros dias de funcionamento foram emitidos mais de 1.300 receitas e 120 atestados pelo site.

Como funciona

A ferramenta foi desenvolvida pelo setor de informática em parceria entre os conselhos. Para realizar a prescrição, o médico deve acessar o portal do Cremers com usuário e senha. Após a emissão, o paciente pode imprimir ou enviar a receita digitalmente à farmácia de sua preferência. O farmacêutico deve observar todas as informações necessárias de uma prescrição, preencher com dados solicitados e, após a compra, poderá dispensar a receita.

Em relação aos atestados, o trabalhador pode apresentar o documento da mesma forma no setor de Recursos Humanos da empresa. A autenticidade dos dois documentos – receita e atestados - são comprovados no portal do Cremers.

Redação: Marcelo Matusiak
Coordenação: Marcelo Matusiak

Os pilotos gaúchos dominaram a etapa de abertura da Categoria Super da Turismo Nacional Virtual. Foram quatro vitórias dos donos da casa, no Autódromo de Tarumã, na noite de segunda-feira (13), com quatro baterias abrindo a versão digital da categoria que utiliza os carros nacionais. Na próxima quinta-feira, entram na pista dos pilotos da categoria PRO, destinada aos pilotos que possuem carteira junto a CBA.

A primeira bateria começou com a pole-position de Bernardo Cardoso, com seu Hyundai HB20.  Logo na largada, Bruno Fernandes pulou na frente e liderou a prova até o final, garantindo a primeira vitória para o GM Ônix. A chegada para definir a segunda posição foi sensacional, com quatro casos cruzando a linha praticamente juntos. Ike Ramos e Bernardo Cardoso, ambos de HB 20, completaram o pódio.

Com a inversão de grid para a segunda bateria, quem largou na frente foi  o pernambucano Raphael Camelo, com um Kia Picanto. Ele levou o carro na liderança até quase a metade da prova, mas acabou escapando na pista e foi ultrapassado por Guto Rotta, com o GM Ônix, que assegurou a vitória. Camelo ficou em segundo e Ike Ramos foi o terceiro colocado.

A terceira bateria contou com diversas trocas de posição desde o início, com pelo menos três pilotos se alternando na liderança e outros oito variando nas ttr6es primeiras posições. Após 16 voltas, Ike Ramos garantiu a primeira vitória do HB20 no campeonato, seguido do VW Gol G8 do paranaense Felipe Malinowski e de Guto Rotta.

O paranaense Alexandre Bastos largou na frente da última bateria da noite com o seu Ford New Fiesta. No meio do grid uma confusão generalizada tirou cinco carros da corrida. Quem se aproveitou da confusão foi o pernambucano Rogério Santos, que avançou com seu HB20 para brigar pelas primeiras posições até terminar em terceiro. Enquanto isso, Bernardo Cardoso e Ike Ramos travaram um duelo empolgante pela primeira posição. No final, Ike levou a melhor e o pódio teve três pilotos de HB20.

Os resultados das corridas ainda serão oficializados após a análise de recursos dos pilotos e da verificação técnica através dos LOGs dos três primeiros colocados de cada prova. O prazo de recurso é de 24 horas.

A próxima etapa da Categoria Super será disputada no dia 27 de abril, com mais quatro corridas no Autódromo de Interlagos.


Para acompanhar as transmissões acesse o Twitch, Facebook ou Youtube/TurismoNacionalBR

As medidas provisórias que flexibilizaram os contratos trabalhistas durante a pandemia de coronavírus permitiram a preservação de mais de 1 milhão de empregos até agora, disse hoje (13) à noite o secretário especial de Previdência e Trabalho do ministério da Economia, Bruno Bianco. Segundo ele, o governo lançará, amanhã (14) ou quarta-feira (15), uma página na internet com os números atualizados de postos de trabalho preservados.

site também terá o número de acordos individuais e coletivos que permitem a suspensão do contrato de trabalho ou a redução de jornada com redução proporcional de salários. “O objetivo é quantificar esse processo online. Colocaremos ali, todos os dias, quantos empregos estão sendo preservados”, disse Bianco, que apelidou o novo site de "Empregômetro".

Bianco classificou de “excelente” a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que considerou legais e com efeito imediato os acordos individuais fechados com base na Medida Provisória 936, que criou o Programa Emergencial de Manutenção do Emprego e da Renda. Segundo o secretário especial, trabalhadores e empregadores terão segurança jurídica para fecharem os acordos.

“Esse é um importante momento pelo qual passamos, que dá ainda mais segurança jurídica ao processo. Estamos convictos de que a MP [medida provisória] é segura do ponto de vista jurídico e constitucional. Agora temos o crivo de um ministro do STF dando ainda mais segurança jurídica”, declarou.

Pela decisão de Lewandowski, os acordos individuais fechados dentro das faixas de salário estabelecidas pela medida provisória são legítimos e têm validade imediata. Caso o sindicato da categoria do empregado feche um acordo coletivo, este se sobreporá ao acerto individual.

Há dez dias, o próprio Lewandowski tinha decidido que as empresas tinham dez dias para notificarem os sindicatos da intenção de suspender contratos e de promover cortes salariais. No entanto, não estava claro se os acordos individuais perderiam a validade. Nesta quinta-feira (16), o plenário do STF julgará a ação, movida pelo partido Rede.

Detalhamento

A Medida Provisória 927 introduziu a antecipação de férias, definiu critérios para o teletrabalho, o desconto do banco de horas e permitiu a suspensão dos pagamentos para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), durante a pandemia de coronavírus. A MP 936 dispôs sobre a suspensão de contratos de trabalho e a redução de jornada e de salário, com a complementação de parte do seguro-desemprego para o trabalhador.

Até quarta-feira, o governo publicará uma portaria detalhando a tramitação dos acordos individuais ou coletivos dentro do Ministério da Economia e pagamento de um percentual do seguro-desemprego. Bruno Bianco prometeu explicar o processo, que será automatizado, assim que a portaria for editada, mas o subsecretário de Políticas Públicas de Trabalho, Sylvio Eugênio, adiantou alguns detalhes.

Segundo Eugênio, o empregador – doméstico, pessoa física ou pessoa jurídica – deverá entrar no site para informar os acordos individuais e coletivos fechados. Cada tipo de empregador receberá as instruções e será encaminhado a um ambiente para enviar o texto do acordo.

Tanto o trabalhador como o patrão poderão acompanhar, por meio da página, o processamento do benefício do seguro-desemprego. O subsecretário informou que, em breve, a situação do pagamento emergencial poderá ser acompanhada por meio do aplicativo e do site da Carteira de Trabalho Digital.

Pagamento

O valor do benefício será definido com base no seguro-desemprego a que o trabalhador tem direito no momento. Caberá à Caixa Econômica Federal e ao Banco do Brasil (BB) fazerem os pagamentos.

Trabalhadores com conta na Caixa receberão o benefício no próprio banco. O trabalhador intermitente receberá três parcelas de R$ 600, mesmo valor da renda básica emergencial, também por meio da Caixa.

Os demais trabalhadores receberão por meio do Banco do Brasil, que creditará o montante na conta de clientes do próprio banco ou fará uma Transferência Eletrônica Disponível (TED) para contas em outros bancos. Quem não tiver conta bancária receberá uma carteira digital a ser aberta pelo BB, movimentada por aplicativo de celular.

O benefício vinculado ao seguro-desemprego começará a ser pago 30 dias a partir do início da data do acordo (coletivo ou individual) informada pelo empregador. Com a data repetindo-se todos os meses até completar 90 dias. Caso eventuais alterações no acordo sejam feitas a menos de dez dias do pagamento da parcela, o valor só será ajustado no mês seguinte.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

 Por Wellton Máximo - Repórter da Agência Brasil - Brasília

Página 10 de 423
Topo