Medida Provisória aprovada na Câmara prevê isenção de imposto para serviços de streaming

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Uma medida provisória editada pelo Governo Federal e aprovada na Câmara dos Deputados prevê a redução nos preços de serviços de banda larga via satélite no país. O texto quer reduzir encargos incidentes sobre antenas ligadas ao serviço de internet por satélite. A medida tornaria o sinal deste tipo de internet mais rápido, já que haveria recursos para investimentos no setor. Porém, no relatório apresentado pelo deputado Paulo Magalhães (PSB-BA), alguns pontos chamaram atenção. As plataformas de streaming ficarão isentas de pagar a Contribuição para o Desenvolvimento da Indústria Cinematográfica Nacional (Condecine). Serão beneficiadas empresas como a Netflix, Disney Plus e o Amazon Prime Video. A Condecine é um tributo destinado para o setor audiovisual do país, como o cinema e tvs aberta e fechada. O deputado Marcelo Ramos (PL-AM) defendeu o fim da cobrança de tributo destas empresas. “Quando a legislação da Condecine foi criada, não existia serviço de Streaming. Então, a legislação estabeleceu uma regra absurdamente equivocada, fruto de um diálogo com o setor de Streaming. O presidente da Ancini à época, Manoel Rangel, estabeleceu uma portaria estendendo a incidência da Condecine para serviços de Streaming. Portanto, ninguém aqui está falando em mudar a lei, porque nunca existiu lei para cobrar Condecine de serviço de Streaming”, ressalta o parlamentar. Já a deputada Erika Kokay (PT-DF) ressalta que este dinheiro seria importante, inclusive, para a educação no país. “O Brasil é o segundo país com o maior número de assinantes da Netflix. Portanto, nós precisamos valorizar a nossa própria cultura nacional, valorizar a própria educação. Não tem nenhuma lógica você favorecer empresas como a Netflix, a Amazon, que detém este poderio em nível mundial, e ao mesmo tempo tirarmos direitos da educação, tirarmos a condição de termos uma participação mais igualitária no próprio conselho no Fust, porque aumenta a participação do governo”.  Além da Condecine, a medida afeta a legislação relacionada ao Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Fistel) e a Contribuição para o Fomento da Radiodifusão Pública (CFRP). O texto agora segue para o Senado Federal. Caso seja aprovada sem alterações, a medida provisória segue para promulgação.

Por Luis Ricardo Machado

Rede de Notícias Regional /Brasília

Crédito da foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em. Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies