Secretaria da Agricultura realiza monitoramento fitossanitário em diversos pomares no RS

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Os fiscais da área vegetal do Departamento de Defesa Agropecuária da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR) estiveram nesta semana em diversas regiões do estado realizando monitoramentos fitossanitários.

“As atividades de monitoramento visam fiscalizar a certificação fitossanitária, inserida no manejo oficial de pragas regulamentadas presentes, bem como a ação de vigilância para pragas ausentes, objetivando evitar o ingresso dessas pragas, o que seria de grande prejuízo para estas cadeias”, destaca Ricardo Felicetti, chefe da Divisão de Defesa Sanitária Vegetal da Secretaria. O trabalho de campo dos fiscais é fundamental para a manutenção da produtividade e dos mercados aos produtores, afirma ele.

Nas culturas de laranja e bergamota foram monitoradas diversas pragas, entre elas o cancro cítrico e a pinta preta dos citros que são pragas presentes no estado, mas não amplamente distribuídas.

Ocorreram também vistorias a fim de confirmar o status de estado livre da praga HLB (ou greening), assim como a presença do vetor Diaphorina citri que é responsável pela dispersão da mesma. O HLB ocorre nos estados de São Paulo, Paraná, Minas Gerais e recentemente foi detectado no Mato Grosso do Sul. Trata-se da doença de citros considerada mais importante em nível mundial e não há manejo efetivo. Nesse sentido, são importantíssimas as ações de prevenção, evitando o ingresso da doença no estado.

Na cultura da maçã monitorou-se a presença do cancro europeu da pomáceas, existente no Rio Grande do Sul, e o fogo bacteriano, que ainda não foi detectado no estado.

Na cultura da banana inspeciona-se a sigatoka negra, praga presente no Estado, e o moko da bananeira, presente em outros estados, mas não detectado em solo gaúcho. E também é realizada a inspeção da fusariose da bananeira, que ainda não foi registrada no Brasil. Esta doença já foi detectada na Colômbia e não há manejo, por isso a necessidade de evitar seu ingresso.

Juntamente com as inspeções nos pomares são realizadas atividades de educação sanitária, com orientações aos produtores em relação às doenças.

Assessoria de Comunicação Social
Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em. Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies