Entenda melhor quais as reações alérgicas às picadas de insetos

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

As reações adversas decorrentes de picada de insetos podem ser por 2 tipos:

  • Por insetos sugadores ou hematófagos (mosquitos, pernilongos, borrachudos, mutucas e pulgas) que provocam reações locais e geralmente auto-limitadas
  • Por insetos que injetam veneno (vespas, abelhas e formigas), os quais podem provocar reações graves como anafilaxia.

Os insetos sugadores provocam reações em qualquer faixa etária, mas suas primeiras manifestações incidem entre quatro meses a oito anos de idade. É mais comum o aparecimento de reações em crianças entre dois a sete anos de idade.

O maior número de casos no Brasil acontece no verão, já que os insetos aparecem em maior quantidade em regiões quentes e úmidas. Esses insetos são atraídos ou repelidos pelo odor da pele. A reação dos insetos é conhecida como estrófulo ou prurigo estrófulo ou urticária infantil ou urticária papular. A incidência varia entre 8,4% a 9,0% da população.

O diagnóstico é clínico e as lesões apresentam um aspecto característico. Inicialmente estas lesões tem 3 a 10 milimetros formando uma circunferência com uma saliência avermelhada, com um ponto central hemorrágico (avermelhado) em número de cinco ou seis, posteriormente é substituído por uma bolha pequena de conteúdo líquido. Esta gota se rompe espontaneamente ou pela coçadura e forma uma crosta. Essa evolução é de oito dias.

Às vezes acontece uma infecção secundária no local. Esta infecção pode vir da coçadura da lesão ou das fezes do inseto, que quando sugam podem também evacuar. Após a queda da crosta, podem aparecer manchas no local (mais claras ou mais escuras). Uma única picada pode originar múltiplas lesões por disseminação sanguínea dos agentes inflamatórios.

O estrófulo localiza-se especialmente em braços, pernas, cintura, abdômen, região glútea e dorso. É menos comum em face e órgãos genitais. Não são encontrados em regiões axilares. As lesões provocadas pela picada de inseto causam muita coceira, mais a noite. O estrófulo tende a desaparecer com a idade, mas pode se manter por três ou quatro anos seguidos.

As reações a picadas de insetos envolvem mecanismos imunológicos e não imunológicos, com participação de um anticorpo chamado IgE (imunoglobulina E) nas reações imediatas e um anticorpo chamado IgG (imunoglobulina G) nas reações semitardias e tardias. A liberação de mediadores explica a coceira e o inchaço na reação imediata e a atração de células inflamatórias justifica a formação de uma reação tardia.

Os surtos de picada de inseto surgem com frequência após um final de semana na praia ou passeio no campo ou visita à casa de parentes com cachorros ou gatos (presença de pulgas).

Como prevenir

Podem ser estabelecidas medidas preventivas em relação aos insetos e ao indivíduo. Em relação aos insetos é interessante eliminar depósitos de água parada, onde são depositados ovos de insetos, na casa e nas suas proximidades. Deve-se usar inseticidas nos ralos para proteger os ambientes, empregar inseticidas e repelentes de insetos nas residências, calafetar o assoalho e dedetizar a casa. Colocar telas nas janelas e cortinados nos quartos é recomendável. Deve-se afastar os cães e gatos e se não for possível, mantê-los limpos e livres de pulgas.

Podem ser estabelecidas medidas preventivas em relação aos insetos e ao indivíduo. Em relação aos insetos é interessante eliminar depósitos de água parada, onde são depositados ovos de insetos, na casa e nas suas proximidades. Deve-se usar inseticidas nos ralos para proteger os ambientes, empregar inseticidas e repelentes de insetos nas residências, calafetar o assoalho e dedetizar a casa. Colocar telas nas janelas e cortinados nos quartos é recomendável. Deve-se afastar os cães e gatos e se não for possível, mantê-los limpos e livres de pulgas.

Em relação aos indivíduos, pode-se usar roupas protetoras, repelentes de insetos. Fala-se em tomar vitamina B1 que elimina pela pele um odor repelente, porém essa medida é questionável. Deve-se manter as unhas curtas e aparadas para evitar infeção secundária.

Tratamento das crises de picada de inseto

O tratamento sugerido para as crises é a associação de anti-histamínicos orais e corticosteroides tópicos. Não é indicada a automedicação, pois existem pomadas de anti-histamínicos, por exemplo, que podem ser fotossensibilizantes, ou seja, quando a pessoa sai em ambiente ensolarado pode provocar queimaduras. Essa informação somente o especialista pode fornecer. Não é incomum o paciente comprar pomadas com associação de corticosteroides e outras substâncias que não tem nada a ver com picada de inseto, e portanto pode piorar a lesão. A orientação, portanto, é procurar um médico especialista que possa indicar o melhor tratamento. Em caso de lesão com infeção secundária, é necessário antibiótico via oral. Em raríssimos casos a lesão pode complicar-se muito formando o que chamamos de celulite, necessitando de internação e antibiótico injetável.

Tratamento preventivo

Normalmente acontece uma hipossensibilização natural, ou seja, o indivíduo vai ficando menos alérgico após um número variável de anos. A imunoterapia específica (vacinas antialérgicas) pode ser usada buscando acelerar as etapas sucessivas do estrófulo, diminuindo o tempo da doença e prevenindo o aparecimento de cicatrizes. Existe uma outra opção que é utilizar anti-histamínicos via oral não sedantes (que não causam sono) nos meses de verão. A cura natural acontece em 47,1% dos pacientes, a infeção secundária acontece em 52,9% dos pacientes que não fazem imunoterapia e entre 8,8% a 10,0% daqueles que fazem imunoterapia.

Escrito por Rosane Bleivas Bergwerk

Alergia e Imunologia – CRM 69705/SP

Fonte: https://www.minhavida.com.br/

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em. Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies