77% dos jovens do Programa Bolsa Juventude Rural investem o que ganham na propriedade

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Os dados do programa Bolsa Juventude Rural da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR) impressionam. 1.735 jovens atendidos, 2.036 bolsas disponibilizadas, 569 escolas atendidas em 491 municípios de 2013 a 2020 (com repetição). “E temos potencial para atingir mais municípios e atender mais jovens”, destaca Emanuelle Magiero, coordenadora do programa e chefe da Divisão de Políticas Públicas para Jovens, Mulheres e Idosos.

De 2017 para 2018 houve um aumento de 142% na procura dos jovens pelo programa, passando de 327 para 793. Em 2018, a procura aumentou 45%, passando para 1152 e no ano de 2020 o aumento foi de 1,5%, passando para 1169. “O programa tem procura, tem interesse e tem potencial para ampliar ainda mais’, destaca.

O levantamento mostra que o maior desafio é o preenchimento correto da documentação exigida pelo edital. Entre os inabilitados para o programa, 40% não apresentaram corretamente a documentação pessoal e os documentos da família, 25% tiveram problemas com a documentação da escola, 19% houve algum erro no preenchimento ou falta de assinatura no pré-projeto e 16% apresentaram problemas na DAP/Extrato. Estes percentuais demonstram a necessidade de conhecimento do programa e do edital por quem auxilia o jovem, para que o mesmo apresente corretamente a documentação.

Os dados também revelaram que 77% dos jovens investem o valor da bolsa diretamente no projeto produtivo, 18% utiliza no projeto produtivo e para uso pessoal e 5% apenas para uso pessoal. “Estes números mostram que o programa está cumprindo um dos seus principais objetivos que é garantir a sucessão rural, já que os jovens usam os recursos que recebem para investir no seu projeto, na sua propriedade”, destaca Emanuelle.

Os dados foram apresentados hoje (17) à tarde durante o 1º Seminário Estadual do Bolsa Juventude Rural, que ocorreu de forma virtual. Mais de 300 pessoas, entre estudantes, dirigentes de escolas e extensionistas da Emater, participaram de diferentes regiões do Rio Grande do Sul.

A secretária Silvana Covatti participou do evento e falou para os jovens sobre a importância do Bolsa Juventude Rural. “Este programa incentiva o jovem a ter o seu ganho, a continuar os estudos e ter aquele preparo para estar e permanecer na propriedade”. E garantiu seu empenho em buscar recursos para trazer mais jovens para o programa.

O Presidente da Emater-RS/Ascar, Geraldo Sandri, destacou que a sucessão rural é um dos grandes focos da instituição e que com a melhoria das condições do homem no campo, o desenvolvimento de novas tecnologias e a melhoria dos preços agrícolas, está atraindo cada vez mais pessoas a permanecerem no campo.

Exemplos do programa

A diretora da Escola Estadual Liberato Salzano, do município de Liberato Salzano, diz que a escola participa desde 2018, com 34 jovens. São 11 jovens do colégio e 23 da Escola Estadual Indígena. “Mesmo durante a pandemia, criamos grupos de whatsapp para estimular os alunos a participar do Programa”, revela Rosicler de Carli. Ela citou o exemplo de um bolsista da escola que comprou sementes para pastagens dos bovinos de leite para a sua propriedade e um notebook para agilizar o processo”.

A técnica da Emater de Cidreira, Fernanda Gilli, mostrou todo o trabalho de extensão desenvolvido de orientação, divulgação, apoio e colaboração junto aos jovens. “Nós acompanhamos todas as etapas do processo, identificando o potencial dos jovens no desenvolvimento do projeto produtivo”. O município tem pescadores artesanais, pecuaristas familiares, apicultores, indígenas e quilombolas.

O jovem Alisson Dalamaria, de São Domingos do Sul, participou do programa em 2017. Na época, comprou um notebook que permitiu fazer os cálculos necessários para melhorar o investimento na propriedade. Hoje trabalha no cultivo de grãos, principalmente milho e soja. ‘Sempre tive gosto pela agricultura, pela produção de grãos. E pretendo cursar agora agronomia, para me capacitar mais e buscar mais conhecimento”, diz Dalamaria.

A estudante Micheli Motter, de 17 anos, cursa o terceiro ano da Escola Estadual de Ensino Médio Nossa Senhora de Lourdes, de Três Arroios, e tem uma bolsa do Programa. Ela mora com os pais numa propriedade de 12,3 hectares onde planta milho e soja e cria bovinos e ovinos. Micheli acredita que a bolsa estimula a pensar a propriedade e desenvolver novas formas de atuação.

O novo edital deste ano ainda não tem data para ser publicado.

Mais informações:

Telefone: (51)3218-3396

Email: [email protected]

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em. Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies