Ministro Paulo Guedes quer ampliar faixa de isenção do Imposto de Renda de pessoa física

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O ministro da Economia, Paulo Guedes, informou que o Governo Federal planeja ampliar a faixa de isenção do Imposto de Renda de Pessoa Física. Hoje, quem ganha um salário mensal de até R$1.903,98 não paga imposto de renda, ou seja, está isento. Mas a meta do governo é subir este valor. Quem tiver um ganho mensal acima de R$2.100 ou R$2.300 é quem vai pagar o imposto de renda. Para especialistas, se houver esta ampliação da faixa do IR para pessoa física, o impacto será positivo e sobrará mais dinheiro no bolso do contribuinte. De acordo com o contador, conselheiro do Conselho Federal de Contabilidade e coordenador da Comissão Nacional do Imposto de Renda, Adriano Marrocos, caso isto se concretize, vai sobrar um pouco mais de dinheiro para o contribuinte brasileiro. “Para os contribuintes, sejam empregados, cooperados ou empresários, representará mais dinheiro no bolso, pois com o desconto do imposto de renda ou com a sua redução, o salário líquido ficará maior e esse acréscimo será aplicado para pagar despesas comuns que, hoje, estão maiores por causa da pandemia”. Segundo o contador Adriano Marrocos, caso mude a faixa de isenção do imposto de renda, o governo continuará arrecadando muito dinheiro. “Para o governo, ao contrário do que parece, além de perda ser mínima, depois arrecadava, depois restituía. Haverá restituição no mau estar causado com a população, principalmente nas primeiras faixas do imposto de renda, em relação ao preenchimento da declaração do imposto. Além do que, não se trata de perda de receita, mais de postergação, pois o governo continuará arrecadando mais com impostos sobre consumo, afinal, as pessoas vão gastar esse dinheiro”. Para o Auditor Fiscal da Receita Federal aposentado, Francisco Pinto, já passou da hora desta faixa de isenção de imposto de renda ser alterada. “A tabela progressiva mensal não é reajustada desde abril de 2015, ou seja, já se passaram mais de seis anos sem atualização. E segundo levantamento do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil, no ano passado a defasagem já era superior à 103%, ou seja, se reajustássemos hoje essa tabela progressiva, o limite de isenção mensal de R$ 1.903,98, o limite de isenção passaria a ser superior a R$ 3.800”.

Francisco Pinto cita alguns exemplos caso o Governo Federal opte pelas duas faixas anunciadas pelo ministro da Economia.  “Se o governo reajustar a tabela para dois mil e cem reais, o reajuste será apenas de 10%. Se ele reajustar para dois mil e trezentos reais, o reajuste será de apenas 21%. Mais de todo modo, isso vai gerar um impacto positivo para o cidadão. Se o governo reajustar a tabela para dois mil e cem reais, o contribuinte poderá economizar, ao mês, catorze reais e setenta centavos, e ao ano, 176 reais. Se o governo reajustar a tabela para dois mil e trezentos reais, o reajuste poderá ser de vinte nove reais e setenta centavos, e, ao ano, 356 reais”.  Paulo Guedes disse que quer reduzir a tributação sobre a renda das empresas, que está acima de 30%.

Por Luis Ricardo Machado

Rede de Notícias Regional /Brasília

Crédito da foto: Edu Andrade/Ascom/ME

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em. Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies