Pesquisadores da SEAPDR sequenciam os primeiros genomas brasileiros do agente causador da anaplasmose bovina

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Pesquisadores do Instituto de Pesquisas Veterinárias Desidério Finamor (IPVDF), ligado ao Departamento de Diagnóstico e Pesquisa Agropecuária (DDPA) da Secretaria de Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR) publicaram estudo em que apresentam pela primeira vez o sequenciamento completo do genoma de cepas brasileiras da bactéria Anaplasma marginale, agente causal da anaplasmose bovina. A enfermidade faz parte de um complexo de doenças popularmente conhecido como Tristeza Parasitária Bovina, que tem sido a principal causa notificada de mortalidade de bovinos no Rio Grande do Sul, causando prejuízos à pecuária gaúcha.

Segundo o pesquisador Bruno Dall’Agnol, um dos autores do estudo, a importância da descoberta está na possibilidade do desenvolvimento de vacinas e testes diagnósticos. “Atualmente, não há uma vacina comercial disponível no Brasil para anaplasmose bovina. O conhecimento das características específicas da anaplasmose no Brasil e no Rio Grande do Sul é fundamental para o controle da doença”, destaca.

No estudo, os pesquisadores sequenciaram e compararam duas cepas de A. marginale, oriundas do Rio Grande do Sul e São Paulo, com bactérias de outros países como Estados Unidos e Austrália. Dall’Agnol aponta que as cepas brasileiras apresentam características únicas, fazendo com que formem um grupo genético específico diferente do que se observa em outros países. O trabalho foi publicado na Revista Brasileira de Parasitologia Veterinária.

O diretor do DDPA, Caio Efrom, salienta a importância da pesquisa dentro da Secretaria de Agricultura, atendendo demandas práticas das cadeias produtivas e alinhando a produção de conhecimento com a aplicação pelo Serviço Veterinário Oficial. “Esses estudos devem motivar diversos outros trabalhos sobre o tema e sobre prevenção e controle da anaplasmose no Rio Grande do Sul e no Brasil, principalmente no desenvolvimento de vacinas”, avalia.

Tristeza Parasitária Bovina

Transmitido pelo carrapato, o complexo de doenças Tristeza Parasitária Bovina é responsável pela perda de 100 mil animais por ano no Rio Grande do Sul, segundo estimativas que levam em conta casos subnotificados, por não ser uma doença de notificação obrigatória. A TPB também causa prejuízos devido à anemia e redução no ganho de peso do rebanho, bem como redução na produção de leite. Segundo dados compilados nos últimos dez anos pelo DDPA, o final do outono e final da primavera concentram a maior parte dos casos de TPB no Estado.

Foto: Greice Zorzato

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em. Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies