Descubra o que é milium e como removê-lo do rosto

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Os cistos de inclusão epidérmicos, também chamados de milium, são pápulas – “bolinhas” – múltiplas de queratina. Elas podem ser brancas ou amareladas e aparecem na camada mais superficial da pele, geralmente no rosto, com um a três milímetros de diâmetro. Áreas como bochechas, testa, base do nariz, pálpebras e atrás das orelhas são as mais afetadas.

Essas pápulas também podem aparecer no pescoço, mãos, costas e, raramente, dentro da boca, no couro cabeludo e nas partes íntimas. Para identificar o milium é preciso realizar uma consulta dermatológica. “Na consulta se confirmará o diagnóstico e excluirá a possibilidade de outro tipo de lesão”, explica a dermatologista do centro clínico do Órion Complex Julyanna do Valle Lima.

O milium surge, na maioria dos casos, por genética. Entretanto, é possível prevenir-se dessas “bolinhas” seguindo alguns cuidados com a pele, como:

Diferença entre milium, siringomas e xantomas

Por serem lesões que acometem a pele, é comum confundir milium com siringomas ou xantomas. Para diferenciá-las, é necessário passar por uma avaliação dermatológica minuciosa, pois cada uma requer um tratamento específico.

No geral, o milium são cistos de inclusão epidérmicos que surgem por genética ou exposição ao sol. Já os siringomas são tumores benignos que aparecem por causa da proliferação de pequenos ductos das glândulas sebáceas. Enquanto isso, os xantomas são pequenas lesões amareladas em alto relevo formadas a partir de gordura – que podem surgir em qualquer parte do corpo.

Como remover milium do rosto

A retirada do milium pode ser feita de quatro maneiras, com:

O método usado para a remoção vai depender da localização e quantidade de “bolinhas”. “Além disso, para reduzir a espessura da pele e facilitar a extração, podemos aplicar produtos como ácidos e esfoliantes”, esclarece a dermatologista. Por isso, não é recomendado remover o milium em casa.

Outro motivo para a proibição é o risco de infecção. Apesar de simples, o procedimento pode ser delicado, sendo necessário uso de material estéril e todos os cuidados de antissepsia.

Após a realização do procedimento, é preciso seguir alguns cuidados, como:

  • Evitar exposição solar sem proteção
  • Usar filtro solar a cada 2 horas
  • Usar chapéu ou boné
  • Fazer limpeza adequada e suave da pele.

Escrito por Hellen Cerqueira

Redação Minha Vida

Foto: vchal | Getty Images

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em. Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies