A mineração de Bitcoins como solução para um dos maiores dilemas ambientais do planeta

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Criptomoedas representam oportunidades atraentes para excedentes da indústria petrolífera

O mundo das criptomoedas está cada vez mais focado no clima, principalmente depois das críticas de Elon Musk ao consumo de energia do Bitcoin. Há pouco tempo, a Tesla desistiu da venda de seus veículos por criptomoeda, iluminando ainda mais a discussão sobre o impacto ambiental que a mineração de moedas digitais pode gerar.

As redes de criptoassets funcionam à base de eletricidade e em grande quantidade. Os mineradores de Bitcoins executam computadores que demandam grande consumo de energia para resolver quebra-cabeças complexos, processando novas transações e adicionando à blockchain. Em troca, os mineradores são recompensados ​​com Bitcoins, tanto por taxas de transação, quanto pela cunhagem de novos Bitcoins. O processo de mineração converte efetivamente energia em criptomoeda.

Soluções criativas a partir da mineração do Bitcoin

Por outro lado, um dos grandes desafios da indústria de extração de petróleo é encontrar uma maneira lucrativa de lidar com os gases associados liberados durante o processo. A solução pode estar na mineração de Bitcoin.

E se fosse possível converter o gás natural não utilizado pela indústria de petróleo, no local, em eletricidade que extrai estes ativos digitais? Essa parece ser a grande charada para resolver dois problemas de uma vez só.

Muitas vezes, não é financeiramente viável ou prático para as empresas de petróleo vender esse gás, por isso ele é liberado na atmosfera, causando poluição.As operações de mineração de Bitcoin podem tornar lucrativo o processamento de gás natural, fornecendo uma forma de incentivar as empresas a processá-lo no local e ajudando a reduzir significativamente as emissões na atmosfera.

O processamento dos gases associados envolve altos custos

Considerando que cerca de 150 a 170 bilhões de metros cúbicos de gases naturais são queimados ou liberados a cada ano no planeta, o que equivale a cerca de US$ 30,6 bilhões em GNL, a mineração de Bitcoin vem trazer boas alternativas para um dos grandes problemas de poluição do setor de petróleo, considerando que a infraestrutura necessária para processar gás natural é imensa, de alto custo e manutenção para as petrolíferas.

Um caso de sucesso é mostrado pela companhia petrolífera estatal norueguesa Equinor, que anunciou uma parceria com a americana Crusoe Energy Solutions. Ela é uma das maiores mineradoras dos Estados Unidos, especialista em capturar a energia do gás de combustão em manchas de óleo para reutilizar na mineração do Bitcoin.A adoção deste sistema reduz em até 63% as emissões de CO2 equivalentes à queima de gás. É o mesmo efeito que milhares e milhares de carros a menos nas ruas.

Como isso funciona? Quando as empresas de petróleo fazem suas perfurações, muitas vezes, também encontram gás natural. Só que a maioria dos perfuradores não tem infraestrutura para vender o gás e, portanto, a solução é queimá-lo, criando as chamas distintas acima dos locais de petróleo. É aqui que entra a grande sacada de solução ambiental.

Convertendo energia em criptografia

Empresas como a Crusoe e a EZ Blockchain instalam um sistema de tubulação para desviar o gás natural liberado para os geradores. Eles produzem eletricidade, que é usada para alimentar computadores diretamente no local do petróleo. No fim do dia, aquela indústria de exploração de petróleo, que antes queimava o gás para o nada, agora tem um fluxo de receita incremental.

Mudando o foco de visão para o mercado brasileiro, que enfrenta as reveses dos ciclos de chuva para o abastecimento de suas hidrelétricas – principal componente da matriz energética brasileira – e que tem importantes reservas de energia fóssil como o petróleo, encontrar soluções assim, mais sustentáveis econômica e ambientalmente, pode representar uma nova era de otimismo para os investidores em criptomoedas. É o que o mercado espera ver.

(Crédito: iStock)

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em. Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies