Público aproveita último final de semana da Expointer

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

O público aproveitou o dia de sol e de temperaturas amenas para comparecer à 44ª Expointer neste sábado (11), no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio. A feira se encerra neste domingo (12), e os portões ficam abertos das 8h às 19h30. Os protocolos de saúde, como usar máscara e álcool em gel, além de manter o distanciamento social, devem ser observados. Até às 14h, o registro de bilhetes vendidos para este sábado era de 13.073, um recorde diário até o momento. O limite de visitantes por dia no parque é de 15 mil.

Um dos lugares abertos ao público para visitação é o Espaço da Flor Gaúcha, uma área de 270 metros quadrados próxima ao Pavilhão da Agricultura Familiar, com 60 variedades de orquídeas, cactos, suculentas, além de 15 espécies de plantas diversas. Neste ano, devido à pandemia, só dois expositores participam, representando a Associação de Floriculturas do Rio Grande do Sul (Aflori): o Orquidário do Vale do Caí, de Caxias do Sul; e o Orquidário Avaní, de Canoas.

De acordo com o proprietário do Orquidário do Vale do Caí, Eleandro Rech, o espaço existe na Expointer há 25 anos. “Neste ano estamos em menor número, mas fizemos questão de vir prestigiar essa feira de retomada”.

O Espaço é um dos preferidos da dona de casa Thaís Pina, 31 anos, e do marido Gabriel De Sá, 29, eletricista, de Sapucaia do Sul. “A gente vem desde criança na Expointer”, contou ela, que está grávida. “Assim que nosso filho nascer, já vamos trazer para passear na feira. E eu amo flores, principalmente orquídeas”.

Thaís diz que teve dificuldade em comprar o ingresso de forma on-line. “Mas como a gente queria muito vir, insistimos e conseguimos. E, apesar de não terem checado nossa temperatura na entrada, o fato de ter bastante álcool gel espalhado pela feira e a maioria das pessoas estar de máscara deixa a gente mais tranquilo”, destacou.

Maior símbolo do Parque Assis Brasil, as esferas abrigam expositores de artesanato que oferecem panos de prato, sapatos, chaveiros, toalhas de tricô e crochê, peças de gesso, entre outros itens. Na esfera verde, estão nove bancas da Associação Uniarte, que existe desde 2015. A presidente da entidade, Selma Fontes, destaca que, apesar de o movimento estar fraco, em comparação com a feira de 2019, estão conseguindo vender. “Não vamos ter prejuízo, mas os lucros serão 70% menores do que a de 2019”.

Na esfera vermelha funciona o setor de Inclusão Produtiva da Prefeitura de Esteio com oito expositores; e, na esfera amarela, a Feira de Artesanato Artesul, da Associação dos Artesãos de Esteio, em parceria com a Apae do mesmo município, com oito expositores.

A empregada doméstica Sandra Ramos, de 44 anos, visitou as esferas com a filha Bianca, de 14, e a vizinha Noelci Quadros, aposentada de 85 anos. “Amo artesanato. Mas acreditas que é minha primeira vez na Expointer?”, disse a moradora de São Leopoldo. “Vim porque a Noelci me convidou. Mas tô achando tudo ótimo. Os protocolos de saúde estão sendo respeitados. Tem bastante álcool gel. A gente vê que tá bem organizado”.

Ao contrário da vizinha, Noelci, que é viúva, frequenta a Expointer há muitos anos. “Meu neto se criou aqui, corria por tudo. Mas agora está com 33 anos e não quer vir mais”, lamentou.

Na entrada do Parque está a Exposição Temática do Exército (Expoex 2021), que oferece serviços de saúde gratuitos à população, como de fisioterapia, laboratório, medição de pressão arterial e teste de glicemia, clínica geral, odontologia e higiene bucal.

No local, também é possível conhecer os equipamentos da Marinha, do Exército e da Aeronáutica no Módulo “Junte-se a Nós”, do Serviço Militar. A bacharel em Direito Louise Pereira, de 29 anos, foi visitar o espaço com o marido Ícaro, servidor da Brigada Militar, o filho de quatro anos, Bem-Hur, e a cunhada Yasmin. “É a segunda vez que viemos à Expointer. Na última, em 2019, meu filho era pequeno, então não aproveitou muito. Vai aproveitar mais agora”.

Louise gostou dos protocolos de saúde. “Quando entramos mediram nossa temperatura, acho que não está tão lotado, tem bastante álcool em gel pelo Parque. Estou me sentindo segura”, afirmou.

Texto: Darlene Silveira
Fotos: Fernando Dias/SEAPDR

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em. Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies