Veja 3 adaptações no carro que os brasileiros gostam, mas são proibidas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Os motoristas têm o hábito de acrescentar certos utensílios no veículo, de forma a se sentir confortável. Porém, algumas adaptações no carro não estão conforme as legislações de trânsito, com a possibilidade de gerar multas para os condutores.

Por isso, o correto é utilizar equipamentos que estejam de acordo com as normas impostas pelo Detran (Departamento Estadual de Trânsito). Dessa forma, além de evitar a penalidade, o condutor não corre riscos de se envolver em acidentes.

A alteração na parte mecânica ou visual do veículo, desconfigura os compartimentos e podem afetar na dirigibilidade.

Adaptações no carro que são proibidas 

É muito comum verificar veículos, até mesmo nos mais antigos, com películas para os vidros que não são de acordo com o manual do carro. Sendo assim, estão instaladas de maneira e incorretas.

Outras adaptações no carro que os brasileiros gostam, mas são proibidas: envelopar veículo sem alterar no documento e faróis xênon.

Película G5

O insulfilm vem aplicado direto da montadora nos carros mais novos, porém, alguns motoristas escurecem os vidros como forma de proteger do sol, mesmo não sendo original de fábrica. Vale destacar que adotar essa medida é irregular, de acordo com as normas impostas pelo Contran (Conselho Nacional de Trânsito).

O órgão exige que o vidro tenha uma transparência mínima, para não prejudicar a visibilidade do condutor. Para se ter uma ideia, o para-brisa e o os vidros laterais e traseiros devem ter 75% de transparência e colorido 70%.

E a película G5, uma das mais conhecidas, traz apenas 5% de transparência, descumprindo as regulamentações do órgão. Nesse caso, a infração é considerada grave, com 5 pontos na CNH (Carteira Nacional de Habilitação), e multa de R$195,23.

Envelopamento do carro

Uma alternativa para quem não deseja retocar a pintura do automóvel é recorrer ao envelopamento. Mas se houver alteração na cor da pintura original é necessário a implementação no Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV), segundo o CTB (Código de Trânsito Brasileiro).

Nesse caso, a cor do envelopamento automotivo não pode ultrapassar os 50% referente a cor original da carroceria. Se estiver de acordo, não há necessidade da troca do documento do veículo.

Assim como na película G5, a multa é considerada grave, no valor de R$195,23. 

Faróis de xênon

Além de ser prejudicial aos motoristas nas vias, a implementação do farol de xênon ainda é considerada irregular. Todavia, caso a instalação tenha sido feita antes da resolução do Contran, no dia 2 de junho de 2011, não será necessário a alteração no CRLV.

Após esse período, o condutor estará sujeito a levar multa, considerada infração grave, e ainda poderá ter a retenção do veículo até que haja a regularização.

Fonte: Redação

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em. Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies