Operação Sem Fronteiras desarticula Associação Criminosa do Rio Grande do Sul especializada em extorsão sexual cibernética

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Nesta quinta-feira (23/06), as Polícias Civis de Goiás e do Rio Grande do Sul deflagraram uma operação conjunta, Operação Sem Fronteiras, com o objetivo de desarticular uma associação criminosa que, durante os meses de janeiro, fevereiro e março do corrente ano, extorquiu um morador da cidade de Rio Verde/GO, através das redes sociais, tendo a vítima repassado a tal associação a importância aproximada de meio milhão de reais, em razão das extorsões sofridas. 

Com a operação, foram presos 5 (cinco) investigados, sendo cumpridas ainda doze medidas cautelares de busca e apreensão. Foram realizadas buscas e prisoes na regiao metropolitana de Porto Alegre, especificamente nas cidades de Novo Hamburgo, Taquara e São Leopoldo. Algumas buscas foram feitas inclusive em presídios da região metropolitana da capital em Novo Hamburgo, Charqueadas e Montenegro.

Participaram da ação cinquenta policiais civis.

A operação foi deflagrada pela Delegacia de Repressão a Crimes Cibernéticos de Rio Verde/GO, coordenada pelo Delegado Caio Martines e Delegacia de Repressão aos Crimes Informáticos e Defraudadores – DRCID/DEIC/RS, coordenada pelo Delegado André Anicet, e contou com o apoio operacional das delegacias de polícia de Novo Hamburgo, Taquara, São Leopoldo Igrejinha e Nova Santa Rita.  

ENTENDA O CASO:

Nos início deste ano, a vítima, um homem de aproximadamente 30 anos de idade, que reside em Rio Verde, cidade situada no sudoeste de Goiás, iniciou contato com um perfil na rede social “Instagram” de uma jovem e bela garota. A conversa entre os dois ganhou cunho sexual e, então, um criminoso, se passando pelo suposto pai dessa garota, afirmou à vítima que a menina em questão era menor de idade e que aquelas conversas causaram a ela severos constrangimentos. Simulou-se a necessidade de tratamento psiquiátrico da menor e até mesmo o seu suicídio. Assim, exigiu-se da vítima uma compensação financeira para se reparar, material e moralmente, tais danos.

Em seguida, supostos advogados e autoridades públicas, falsos delegados de polícia e conselheiros tutelares, entraram em contato com a vítima, informando-lhe que ela havia cometido ilícitos penais em razão das conversas de natureza sexual com a garota. Sob tal argumento, as pseudo autoridades, fingindo serem agentes públicos corruptos e fazendo a vítima crer que havia cometido ilícitos penais relacionados à pedofilia, exigiram quantias dela, para que ela não sofresse sanções criminais.

pc carteira falsa
Carteira Funcional falsa apresentada para vítima para dar credibilidade ao golpe – Foto: Polícia Civil / DRCID / Deic

Foram reiteradas as quantias extorquidas, sendo elas sempre precedidas de uma nova ameaça de punição legal, o que culminou no prejuízo de aproximadamente meio milhão de reais para a vítima.

As investigações agora seguem com o objetivo de se identificar novos envolvidos na prática delitiva e também se localizar o proveito do crime, de maneira a se viabilizar o ressarcimento a vítima.

A operação foi chamada de “Sem Fronteiras”, pois as associações criminosas que atuam, como a que é alvo da presente investigação, vitimam pessoas de diversos entes federativos.

Fonte: https://www.pc.rs.gov.br/

 Foto: Miguel Noronha

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em. Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies