Em maio, crescimento da indústria do país atinge máxima em 8 meses

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Segundo a pesquisa Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) da S&P Global, a partir do portal CNN, o avanço da indústria brasileira alcançou, em maio deste ano, o patamar mais elevado em oito meses em razão do crescimento de novas encomendas e produção, mesmo com o acréscimo nos custos de insumos e preços cobrados. O PMI foi de 54,2 em maio e de 51,8 em abril. “O setor industrial se recuperou da desaceleração no crescimento vista no início do segundo trimestre, com o PMI melhorando para máxima de oito meses graças a aumentos mais fortes nas novas encomendas, produção e emprego”, afirma a diretora associada de economia da S&P Markit.

As encomendas à indústria cresceram, na ocasião, pelo terceiro mês consecutivo em maio, a taxa mais elevada desde julho do ano passado. Com mais vendas, as indústrias do país aumentaram a produção em um ritmo mais intenso em dez meses. Apesar disso, as encomendas internacionais retrocederam pelo terceiro mês consecutivo, sendo apontada fraca demanda dos clientes na América do Sul. Também foram registrados problemas para receber insumos no mês de maio por conta do lockdown chinês, guerra ucraniana e falta de matéria-prima em âmbito mundial.

Alta dos preços ao produtor no país desacelera em abril

Ainda sobre valores da indústria, que interferem em linhas de pintura industrial, por exemplo, os preços ao produtor no país cresceram 1,94% no mês de abril, desacelerando, porém, na comparação com a alta de 3,12% em março. A informação é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mesmo com a desaceleração, esse dado de abril é o segundo maior do ano, levando o Índice de Preços ao Produtor (IPP) acumulado em 12 meses a uma alta de 18%.

18 atividades investigadas mostraram alta de preços, sendo que participaram da análise 24 atividades. De acordo com o IBGE, a maior variação registrada se manteve com os preços na indústria extrativa, em queda de 11,54%. “Vale observar que tanto o óleo bruto de petróleo quanto o minério de ferro, os dois produtos de maior peso no setor (indústria extrativa), tiveram variação negativa, explicada devido às oscilações dos preços internacionais e à apreciação do real”, aponta o gerente da pesquisa. O IPP calcula a variação dos preços de produtos sem impostos e frete de 24 atividades das indústrias extrativas e da transformação.

Este site utiliza cookies para melhorar o desempenho e entregar uma melhor experiência de navegação para você, além de recomendar conteúdos do seu interesse.
Saiba mais em. Política de Privacidade

ACEITAR
Aviso de cookies